OFERTA FORMATIVA

Ref. 1328.1 Inscrições abertas até 29-01-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116620/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 30-01-2023

Fim: 27-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Rosa Helena de Pernambuco Nogueira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Projeto INCLUD-ED.

Razões

Esta ação tem como destinatários os docentes dos agrupamentos envolvidos no projeto Comunidades de Aprendizagem-INCLUD-ED. Este projeto idealizado pelo grupo de pesquisa CREA (Community of Research on Excellence for All, da Universidade de Barcelona) visa a promoção e criação de condições para que as escolas possam vivenciar um projeto de transformação incorporando nos seus espaços uma cultura de comunidade de aprendizagem. A Comunidade de Aprendizagem é um projeto de transformação Educacional e Social que apresenta 6 ações educativas de sucesso (grupos interativos, tertúlias dialógicas literárias, formação de familiares, formação pedagógica dialógica, modelo de prevenção e resolução de conflitos e participação educativa da comunidade).Estas ações educativas de sucesso assentam nos pressupostos concetuais da aprendizagem dialógica e têm por base os diálogos igualitários, as interações em que a inteligência cultural é reconhecida em todas as pessoas e orientada para a transformação dos níveis anteriores de conhecimento e do contexto sociocultural, visando o sucesso de todos. Assente em interações que aumentam a aprendizagem instrumental, favorece a criação de sentido pessoal e social, guiadas por princípios de solidariedade e em que a igualdade e a diferença são valores compatíveis e, mutuamente, enriquecedores (Aubert et al, 2008: p. 167). Espera-se que esta reflexão possa inventariar um conjunto de soluções que visam aproximar as escolas da comunidade.

Objetivos

Com este curso de formação pretende-se proporcionar o debate, a construção e a operacionalização quer de metodologias e técnicas quer de instrumentos, recursos e produtos pedagógicos e/ou didáticos com vista a resolver problemas concretos e devidamente identificados ao nível da escola e/ou da sala de aula. Assim, pretende-se que os formandos possam vivenciar e explorar as potencialidades das ações educativas de sucesso com vista a: 1. Capacitar, os professores, sobre os processos de ensino baseados na aprendizagem dialógica. 2. Capacitar, os professores, sobre as fases de transformação de um contexto educativo em comunidade de aprendizagem. 3. Capacitar, os professores, sobre a importância de uma prática assente em princípios teóricos e concetuais cientificamente fundamentados. 4. Vivenciar e refletir sobre as experiências de colaboração experienciadas que possam suportar a transição de uma cultura individualista para uma cultura de cooperação ao nível do trabalho docente.

Conteúdos

A ação totaliza 25 horas de formação de caráter teórico-prático, em modalidade presencial e à distância. Organiza-se em 8 sessões a partir dos módulos disponibilizados pelo CREA em formato aberto (registado para Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional - CC BY-NC-ND 4.0). 1ª Sessão(3h) Presencial - Bases Científicas das comunidades de aprendizagem e a Aprendizagem dialógica. Apresentação da formação. Módulo 1- Bases científicas das comunidades de aprendizagem 1.1 Introdução às comunidades de aprendizagem; 1.2 A sociedade da informação; 1.3 Bases científicas das comunidades de aprendizagem;1.4 Ações educativas de sucesso. Módulo 2- Aprendizagem dialógica; 2.1 Da abordagem individual à comunidade; 2.2 Aprendizagem dialógica; 2.2.1 Diálogo igualitário; 2.2.2 Inteligência cultural; 2.2.3 Transformação; 2.2.4 Dimensão instrumental; 2.2.5 Criação de sentido; 2.2.6 Solidariedade; 2.2.7 Igualdade de diferenças. 2ª Sessão (3h) Módulo 3 - Transformação de um centro educativo numa comunidade de aprendizagem. 3.1 Fases de transformação de uma escola em comunidade de aprendizagem; 3.1.1 A sensibilização; 3.1.2 A tomada de decisão; 3.1.3 O sonho; 3.1.4 A seleção de prioridades; 3.1.5 A planificação; 3.2 Organização de uma comunidade de aprendizagem. 3ª Sessão (3h) Módulo 5 - A multiculturalidade nas comunidades de aprendizagem. 5.1 Formas de racismo na convivência; 5.2 A perspetiva comunicativa na igualdade entre as diferenças; 5.3 Diversidade e excelência: ação positiva. 4ª Sessão (3h) Módulo 6 - Grupos Interativos. 6.1 Grupos em sala de aula; 6.1.1 Igualdade de oportunidades no acesso: mistura; 6.1.2 A diversidade a partir da diferença: homogeneização; 6.1.3 Igualdade de oportunidades de acesso e resultados: inclusão; 6.2 Grupos interativos; 6.2.1 Características e funcionamento; 6.2.2 Aprendizagem dialógica em grupos interativos; 6.2.3 O que é e o que não é um grupo interativo; 6.2.4 Impacto dos grupos interativos. Experimentar um grupo interativo. 5ª Sessão (3h) Módulo 7 - As Tertúlias Dialógicas. 7.1 Tertúlias literárias dialógicas; 7.2 Outras tertúlias dialógicas. Experimentar uma tertúlia literária dialógica. 6ª Sessão (3h) - Participação Educativa da Comunidade e o Papel dos voluntários. Módulo 8- Participação da comunidade. 8.1 Tipos de participação das famílias nas escolas; 8.2 Ações de sucesso na participação educativa da comunidade; 8.2.1 Leitura dialógica; 8.2.2 Extensão do tempo de aprendizagem; 8.2.3 Comissões de trabalho mistas. Módulo 4 - O papel do voluntariado. 4.1 Quem são os voluntários, como é que colaboram e o que é que trazem? 4.2 Coordenação e gestão do voluntariado. 7ª Sessão (3h) Módulo 9 - A Formação de Familiares e Formação Dialógica de Professores. 9.1 Formação de familiares; 9.2 Formação dialógica de professores. 8ª Sessão (4h) Presencial Módulo 10 - Modelo dialógico de Prevenção e Resolução de Conflito. 10.1 Do modelo disciplinar ao modelo dialógico; 10.2 A socialização preventiva da violência de género. Avaliação da ação.

Metodologias

O planeamento dos conteúdos do curso, conforme mencionado anteriormente, totaliza 25 horas de formação de carácter teórico-prático em modalidade presencial e à distância, em que cada formando deve ler toda a documentação científica que faz parte dos módulos correspondentes a cada uma das sessões para que as mesmas possam ser alvo de reflexão e debate, bem como auxiliem na conceção e produção de recursos e produtos pedagógicos para resolver problemas concretos. Existindo essa necessidade as sessões podem, ainda, iniciar ou terminar com uma exposição dos pontos a destacar em cada módulo. Nas sessões 4 e 5 os formandos colocar-se-ão numa situação de experimentação dos conteúdos abordados nessas sessões.

Avaliação

Avaliação contínua. - Participação dos formandos nas atividades a desenvolver ao longo das sessões. - Avaliação dos trabalhos produzidos pelos formandos individualmente ou em grupo. - Relatórios individuais dos formandos. A avaliação expressa-se de acordo com a tabela de 1 a 10 valores, conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 06 de maio e respeitando todos os normativos legais da avaliação contínua de professores.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de um questionário online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Aubert, A., Flecha, A., García, C., Flecha, R., & Racionero, S. (2016). Aprendizagem dialógica na Sociedade da Informação. São Carlos: EdUFSCar.Flecha, R. (1997). Compartiendo palabras. Barcelona: Paidós.Flecha, R. (Ed.). (2015). Successful educational actions for inclusion and social cohesion in Europe. Springer. Valls, R. & Kyriakides, L. (2013). The power of Interactive Groups: how diversity of adults volunteering in classroom groups can promote inclusion and success for children of vulnerable minority ethnic populations. Cambridge Journal of Education, 43 (1), 17-33INCLUD-ED Project (2011). Actuaciones de éxito en las escuelas europeas. Madrid: Ministerio de Educación, IFIIE, European Comission, Estudios CREADE.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 30-01-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 06-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 13-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 27-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 06-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 13-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 20-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 27-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 1109.1 Inscrições abertas até 29-01-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117919/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 31-01-2023

Fim: 28-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Ana Paula Fernandes Campôa

Maria da Glória Carriço de Santana Paula

Paulo Alexandre da Silva Martins Soares

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Projeto MAIA

Razões

A avaliação pedagógica tem assumido uma centralidade inegável nas políticas educativas e curriculares, com efeitos concretos nas práticas de ensino e aprendizagem, designadamente na promoção do “sucesso escolar”. A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. Refere ainda o caráter formativo da avaliação pedagógica como um dos pilares da melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem. Importa, pois, que os professores consolidem estas mudanças de modo contextualizado e que aprofundem competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens, nomeadamente, através de desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação. Deste modo, visa-se capacitar e apoiar os docentes para a construção dos recursos inovadores necessários e ajustados aos seus contextos educativos específicos, promovendo-se ainda a implementação e análise dos mesmos, tendo em vista o seu aperfeiçoamento ou reformulação.

Objetivos

• Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação, em geral, e da avaliação pedagógica, em particular, congruentes com o real conteúdo das orientações constantes nos documentos legais; • Promover práticas de trabalho colaborativo e cooperativo na construção e desenvolvimento de projetos de avaliação pedagógica em contexto de sala de aula; • Elaborar recursos educativos de suporte ao desenvolvimento dos projetos de avaliação pedagógica; • Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias e projetos de natureza pedagógica e didática; • Incrementar práticas de formação de natureza investigativa que confiram competências aos professores para lidar com a mudança e a inovação no âmbito da avaliação pedagógica.

Conteúdos

1. Enquadramento curricular: documentos de referência – 3 horas; 2. Natureza e Fundamentos da Avaliação - 3 horas; 3. Avaliação formativa e avaliação sumativa - 3 horas; 4. Feedback: natureza, distribuição e utilização por alunos e professores-alunos - 3 horas; 5. Aprendizagens Essenciais, Critérios de avaliação, Descritores de Níveis de Desempenho e de Standards. - 3 horas; 6. Processos de recolha de informação - 3 horas; 7. Apresentação, discussão e avaliação dos projetos de intervenção desenvolvidos no âmbito da oficina - 7 horas.

Metodologias

Sessões Presenciais conjuntas: Nas sessões presenciais os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da construção de projetos e de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Trabalho Autónomo: O trabalho autónomo pretende-se que seja realizado em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação dos projetos pedagógicos e didáticos, assim como dos materiais elaborados numa lógica de investigação-ação, sendo criada uma comunidade de prática. Neste âmbito, os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da análise de instrumentos e melhoria de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas.

Avaliação

De acordo com o RJFCP – Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro - e nos termos dos nºs 5 e 6, do artigo 4.º do Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio, valorizando-se uma lógica formativa e de acompanhamento. Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Fernandes, D. (2021). Para uma fundamentação e melhoria das práticas de avaliação pedagógica no âmbito do Projeto MAIA. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Fernandes, D. (2021). Para a Conceção e Elaboração do Projeto de Intervenção no Âmbito do Projeto MAIA. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Fernandes, D. (2021). Para um enquadramento da formação de professores. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Machado, E. A. (2021). Feedback. Folha de apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Wenger, E. (1998). Communities of practice: Learning, meaning, and identity. Cambridge University Press.


Observações

Cartaz: design de Violante Romão.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 31-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 07-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 14-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 28-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 14-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 28-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 11411.1 Inscrições abertas até 05-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117824/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 06-02-2023

Fim: 20-03-2023

Regime: e-learning

Local: Plataforma Moodle do CFAE Dr. Rui Grácio

Formador

Custódio Manuel Gésero Lagartixa

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio

Razões

Tendo em conta a importância da supervisão pedagógica na melhoria das práticas pedagógicas e a sua estreita ligação com a avaliação de desempenho docente (ADD), nos domínios interno e externo é urgente promover competências básicas deste tipo de práticas na classe docente. Clarificar, diferenciar e refletir sobre a relação dos conceitos "supervisão", "supervisão pedagógica","avaliação formativa", "avaliação sumat", "avaliador intern" e "avaliador externo", são os aspetos preponderantes para esta ação, enquadrando-os no quadro legal atual.

Objetivos

Pretende-se promover nos formandos competências relacionadas com a observação de aulas, a supervisão e a avaliação docente, de modo a que o processo de ADD seja mais claro, transparente, coerente e útil na melhoria das práticas. Pretende-se que os formandos entendam a supervisão pedagógica não como mero processo avaliativo mas como contributo para o desenvolvimento do trabalho colaborativo. Este entendimento facilitará o processo de ADD, não só para o avaliado como também para o avaliador, permitindo a ambos adquirir competências para o desempenho do seu papel de forma ética, justa e coerente.

Conteúdos

- Supervisão e Supervisão Pedagógica; - Práticas e técnicas de observação;\r\n- Avaliação (Formativa e Sumativa) do Desempenho Docente; - Avaliador (Interno e Externo) do Desempenho Docente; - Análise do quadro legal atual sobre a ADD em Portugal.

Metodologias

Explorar os conteúdos da ação, recorrendo a metodologias participativas onde cada formando tem um papel central promovendo o isomorfismo de práticas. Solicitar aos formandos que, em grupo, analisem documentos, planeiem e concebam materiais para agilizar práticas de supervisão/observação, mobilizando os conceitos abordados, apresentando-os ao grande grupo Discutir/refletir sobre os trabalhos apresentados, assim como partilha de experiências dos trabalhos desenvolvidos em contexto de supervisão/ADD.

Avaliação

No que se refere à avaliação dos formandos, será efetuada em regime de continuidade do desempenho dos mesmos, incidindo na participação e trabalho produzido nas sessões presenciais. No final da formação, os formandos serão avaliados individualmente, de acordo com a qualidade dos recursos produzidos, expressa nos documentos apresentados e durante a sua apresentação/ discussão em plenário. A avaliação final da formação expressa-se de acordo com a escala quantitativa de 1 a 10 valores, acompanhada uma menção qualitativa (Insuficiente; Regular, Bom, Muito Bom e Excelente), tal como consta no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio. Parâmetros avaliáveis: processo de formação 25%; produto de formação 60%; reflexão final 15%.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de um formulário online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Alarcão, I, & Canha, B. (2013). Supervisão e Colaboração. Uma relação para o desenvolvimento. Porto: Porto Editora.Vieira, F., & Moreira, M. (2011). Supervisão e avaliação do desempenho Docente: Para uma Abordagem de Orientação Transformadora. Lisboa: Ministério da Educação/Conselho Científico para Avaliação de Professores.Baptista, I. (2011). Ética, Deontologia e Avaliação do Desempenho Docente. Lisboa: Ministério da Educação – Conselho Científico para a Avaliação de Professores.Machado, E. A., Alves, M. P., & Ribeiro Gonçalves, F. (2011). Observar e avaliar práticas docentes. Santo Tirso: De Facto Editores.Quadro legal em vigor.


Observações

Capacita os docentes do 4.º escalão ou superior para a função de avaliador externo do desempenho docente.

Capacita os docentes do 4.º escalão para a função de avaliador externo do desempenho docente.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
2 06-02-2023 (Segunda-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
3 27-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
4 27-02-2023 (Segunda-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
5 06-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
6 06-03-2023 (Segunda-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
7 13-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 19:30 1:00 Online síncrona
8 13-03-2023 (Segunda-feira) 19:30 - 21:30 2:00 Online assíncrona
9 20-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

Ref. 1306.1 Inscrições abertas até 05-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-118534/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 06-02-2023

Fim: 15-05-2023

Regime: e-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Teodolinda Rosa Magro da Cruz

Marta Susana Pereira Procópio

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e PNPSE - Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar (DGE)

Razões

Considera-se de extrema importância, após o foco dos últimos anos em práticas que estimulam uma avaliação fortemente reguladora e estimuladora do desenvolvimento de competências do Perfil dos Alunos à saída da Escolaridade Obrigatória, que todas estas dinâmicas de desenvolvimento curricular sejam percecionadas e geridas de modo integrado. A implementação da Autonomia e Flexibilidade Curricular de acordo com o previsto pelo Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho, estimula a formação de Equipas Educativas docentes, no âmbito dos Conselhos de Turma, como forma de promover o essencial trabalho de articulação curricular baseado em práticas interdisciplinares, multidisciplinares e transdisciplinares, atendendo às Aprendizagens Essenciais e ao Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. É fundamental o trabalho conjunto dos docentes sobre os conceitos fundamentais e operações cognitivas comuns do currículo, bem como a reflexão sobre implementação partilhada de estratégias de trabalho e avaliação por forma a aprofundar práxis de diferenciação pedagógica, permitindo uma ação educativa inclusiva. Deste modo, pretende esta oficina de formação exponenciar esta partilha a desenvolver no interior do Conselho de Turma no decurso do todo o ano letivo. Pretende-se que o desenvolvimento da profissionalidade docentes seja colocada ao serviço da necessidade de recuperar as aprendizagens mais afetadas no decurso do período pandémico, garantindo maior equidade e inclusão educativas.

Objetivos

- Listar e apresentar os conceitos fundamentais da planificação anual comum de Conselho de Turma. - Listar e apresentar as operações cognitivas a desenvolver na planificação anual, tendo em conta a especificidade dos seus alunos. - Elencar para cada conceito fundamental e operação cognitiva, escolhidos os conhecimentos pré-existentes nos alunos que assegurem a ponte com o nível de aprofundamento que se pretende desenvolver como forma de construção de aprendizagens significativas. - Listar os domínios/conteúdos comuns a todas as disciplinas a abordar. - Descrever de modo objetivo as competências que se pretende que os alunos desenvolvam, fazendo coincidir o objeto de ensino com o objeto de avaliação. - Definir cada uma das atividades referentes ao aprofundamento do conceito fundamental/operação cognitiva. - Definir os procedimentos de avaliação escolhidos. - Meta avaliar procedimentos relativos às atividades anuais comuns realizados pelo Conselho de Turma.

Conteúdos

1- Contextualização da formação e apresentação do programa do curso. 2- Construto da articulação curricular, enquadrando-o no corpus científico da teoria do desenvolvimento curricular. 3- Operacionalização dos conceitos fundamentais comuns a inserir na planificação partilhada de turma, tendo por base as Aprendizagens Essenciais das áreas disciplinares/disciplinas. 4- O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e as operações cognitivas identificadas nos respetivos Descritores Operativos. 5- Confluência dos documentos essenciais do currículo (Perfil dos Alunos; Aprendizagens Essenciais e Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania). 6- Operações cognitivas a privilegiar na planificação partilhada de turma de acordo com cada conceito comum definido a ser trabalhado no decurso do ano letivo pelas diferentes áreas disciplinares/disciplinas. 7- Modalidades, instrumentos e técnicas de avaliação formativa, sumativa e de remediação/desenvolvimento. 8- Procedimentos da meta avaliação relacionada com a planificação, execução e avaliação das atividades da planificação comum implementada. 9- Planificação final de grupo de alunos/ ano de escolaridade para articulação dos conceitos fundamentais do currículo, operações cognitivas, estratégias de trabalho e de avaliação; ii) os resultados alcançados pelos alunos; iii) as reflexões finais sobre este tipo de articulação curricular, relativamente à possibilidade deste trabalho se tornarem “rotina”, no interior dos Conselhos de Turma/Ano e às vantagens e desvantagens desta modalidade de articulação curricular. 10- Avaliação dos formandos e do curso de formação.

Metodologias

SESSÕES ONLINE SÍNCRONAS - Exposição dos conteúdos teóricos, valorizando a reflexão sobre as práticas dos formandos. - Estímulo a práticas profissionais reflexivas assentes em teoria validada cientificamente e na experimentação em sala de aula. - Reflexão nas sessões síncronas sobre as dificuldades inerentes à aplicação prática do construto de Articulação Curricular. - Recurso à plataforma digital Moodle® do CFAE, ao Google Drive® e Plataforma Zoom® Trabalho complementar: - Complementar o trabalho realizado na sessão síncrona 1, 2 e 3 por forma a ficarem totalmente definidos os conceitos comuns fundamentais escolhidos, de acordo com as Aprendizagens Essenciais das várias áreas disciplinares/disciplinas, bem como as operações cognitivas do Perfil dos Alunos e as estratégias de trabalho e de avaliação. - Complementar o trabalho realizado na sessão síncrona 4 por forma a aplicar-se a planificação concebida às turmas e preparar a apresentação relativa à implementação da planificação de Turma gizada. DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA PELAS DIVERSAS TAREFAS Sessão 1 – 3 horas 1. Contextualização da Formação 1.1 Apresentação do cronograma do curso de Formação 1.2 Apresentação e breve discussão sobre objetivos, tarefas e objeto da avaliação relativos 1.3 Apresentação e experimentação das funcionalidades das ferramentas digitais que servirão de suporte à formação: Moodle®, Zoom® e Google Drive® 2. Criação dos grupos de formandos a integrar cada um dos Concelhos de Turma/Ano/Grupo da Educação Pré-Escolar e do 1.º aos 12.º anos de escolaridade 2.1 Exploração teórica do construto de articulação curricular enquadrando-o no corpus científico da teoria do desenvolvimento curricular 2.2 Trabalho de grupo em diferentes salas simultâneas da Plataforma Zoom® (uma sala por cada Conselho de Turma) por forma a desenvolver-se o trabalho relativo à escolha e operacionalização dos conceitos fundamentais comuns a inserir na planificação partilhada de turma, tendo por base as Aprendizagens Essenciais das áreas disciplinares/disciplinas 2.3 Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom® para apresentação das principais conclusões de cada Conselho de Turma 2.4 Introdução da planificação comum de turma esboçada por cada grupo na pasta da formação do Google Drive®, para acesso a todos permitindo a continuidade do trabalho autónomo a realizar até à sessão síncrona 2 Sessão 2 – 3 horas 1. Discussão sobre o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória por forma a promover reflexão sobre o modo concreto como este documento fundamental do currículo é usado pelos formandos 2.1 Criação de dez grupos a dividir por dez salas simultâneas da Plataforma Zoom® por forma a que cada grupo enumere para cada uma das dez áreas de competências do Perfil dos Alunos as operações cognitivas identificadas nos respetivos Descritores Operativos 2. Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom®. Apresentação e discussão do trabalho realizado por cada grupo e registo escrito na pasta do Google Drive® de um documento síntese 3. Trabalho de grupo juntando os elementos de cada Conselho de Turma/Ano/Grupo em diferentes salas simultâneas da Plataforma Zoom®, por forma a selecionarem as operações cognitivas a privilegiar na planificação partilhada de turma de acordo com cada conceito comum definido a ser trabalhado no decurso do ano letivo pelas diferentes áreas disciplinares/disciplinas 3.1 Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom® para breve partilha relativa às operações cognitivas do Perfil dos Alunos selecionadas Sessão 3 – 3 horas 1. Reflexão sobre a necessidade de haver uma intencional confluência dos documentos essenciais do currículo (Perfil dos Alunos; Aprendizagens Essenciais e Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania) 2. Discussão sobre as práticas docentes por forma a ficar clara a importância de serem tomadas decisões sobre o que se pretende avaliar, antes mesmo da escolha de estratégias de trabalha, por forma a planificar harmoniosamente os momentos de aprendizagem e de avaliação 3. Trabalho de grupo juntando os elementos de cada Conselho de Turma/Ano/Grupo em diferentes salas simultâneas da Plataforma Zoom®, por forma a escolherem as estratégias de trabalho comuns a privilegiar na planificação de turma relativamente ao desenvolvimento de cada operação cognitiva escolhida a partir do Perfil dos Alunos e dos conceitos comuns definidos a partir das Aprendizagens Essenciais 4.1. Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom® para breve partilha relativa às estratégias de trabalho selecionadas para a planificação comum Sessão 4 – 3 horas 1. Breve discussão relativa aos modos de proceder à ancoragem de conhecimentos prévios dos alunos que permitam desenvolver aprendizagens significativas, para garantir aprendizagens de qualidade 2. Reflexão sobre os procedimentos e momentos em que irá ocorrer a meta avaliação relacionada com a planificação, execução e avaliação das atividades da planificação comum implementada 3. Trabalho de grupo juntando os elementos de cada Conselho de Turma/Ano/Grupo em diferentes salas simultâneas da Plataforma Zoom®, por forma a escolherem as modalidade, instrumentos e técnicas de avaliação formativa, sumativa e de remediação/desenvolvimento a implementar, bem como a definirem a calendarização anual das atividades a desenvolver de modo partilhado na planificação comum de turma 4. Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom® para breve partilha do trabalho realizado Sessão 5 – 3 horas 1. A última sessão decorrerá próxima do final do ano letivo ou após o final de um período/semestre, por forma a permitir apresentar o trabalho realizado por cada Conselho de Turma/Ano/Grupo com as respetivas crianças e alunos. 2. Apresentar e discutir em sessão síncrona conjunta na Plataforma Zoom®: i) a planificação final de grupo de alunos/ ano de escolaridade para articulação dos conceitos fundamentais do currículo, operações cognitivas, estratégias de trabalho e de avaliação; ii) os resultados alcançados pelos alunos; iii) as reflexões finais sobre este tipo de articulação curricular, relativamente à possibilidade deste trabalho se tornarem “rotina”, no interior dos Conselhos de Turma/Ano e às vantagens e desvantagens desta modalidade de articulação curricular.

Avaliação

Os participantes procedem à apresentação de um relatório crítico sobre o trabalho desenvolvido e sua importância, quer na motivação, melhoria das aprendizagens, desenvolvimento global dos alunos, quer na melhoria da profissionalidade docente. Avaliação final do formando: • Ponderações: 25% participação nas sessões e 75% para os trabalhos desenvolvidos e relatório final do formando. Para a avaliação final individual de cada professor será usada uma escala quantitativa de 1 a 10 valores: Excelente - de 9 a 10 valores; Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; Bom - de 6,5 a 7,9 valores; Regular – de 5 a 6,4 valores; Insuficiente – de 1 a 4,9 valores. A classificação final e as horas de formação para a progressão na carreira docente constarão no certificado final a emitir pelo Centro de Formação.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação, com base num guião próprio do CFAE

Bibliografia

Alves, J.M., Roldão, M.C. (2018). Articulação Curricular. O que é? Como se faz? Dos conceitos às práticas possíveis. VilaNova de Gaia: Fundação Manuel Leão. Ausubel, D. et al. (1978). Educational Psychology - a Cognitive View. New York: Holt, Rineahrt and Winston. C. Cosme, Ariana. (2018). Autonomia e Flexibilidade Curricular. Propostas e Estratégias de Ação. Porto Editora. Roldão, M.C. (2009). Estratégias de Ensino. O saber e o agir do professor. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão. Tyrack, D. Tobin, W. (1994). The “grammar” of schooling: why has is been so hard to change? London: SAGE.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-02-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 13-02-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 27-02-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 17-04-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 15-05-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

Ref. 13112.1 Inscrições Fechadas

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-118271/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 06-02-2023

Fim: 16-05-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

António Vidal Santos

Destinatários

Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente..

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

A capacitação digital dos docentes é determinante para o desenvolvimento de modelos inovadores associados aos processos de ensino e de aprendizagem. Considera-se fundamental que os docentes desenvolvam a capacitação digital necessária para poderem exercer uma cidadania ativa e usar as tecnologias digitais em contexto profissional, pedagógico e didático, promovendo, o desenvolvimento da capacitação digital dos alunos. É essencial que os docentes desenvolvam conhecimentos, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta oficina irá permitir aos professores desenvolver as pedagogias ativas em contexto de ensino híbrido, permitindo a adaptação das tecnologias à concretização das aprendizagens essenciais das várias disciplinas. Esta ação visa contribuir para desenvolver a capacitação digital dos docentes do sistema educativo, pela exploração de ferramentas digitais, levando os docentes a construir materiais ao longo da formação, que visem a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de capacitação digital dos alunos, em articulação com as aprendizagens essenciais.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver competências digitais na utilização de ferramentas e tecnologias passíveis de apoiar diferentes tipos de aprendizagem e aprendizagens essenciais. São objetivos específicos: - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - refletir sobre as vantagens da utilização de ferramentas digitais nas atividades de ensino-aprendizagem; - incentivar o trabalho colaborativo e a troca de experiências entre os professores contribuindo para a sua formação; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das competências digitais dos alunos.

Conteúdos

1. Realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; 2. Utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; 3. Implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos. 4. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional; 5. Debate e/ou construção de novas propostas de tarefas para a sala de aula; 6. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem; 7. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais; 8. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos; 9. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

A oficina obedece a três etapas fundamentais: 1. Sessão presencial conjunta, com explicação do enquadramento da ação no contexto educacional atual, o envolvimento profissional e experiência na utilização de plataformas de trabalho colaborativo. Serão abordados os conteúdos teórico-práticos e a orientação para elaboração de atividades que visem a implementação de metodologias e materiais pedagógicos. (5 horas) 2. Sessões de trabalho, em pequeno e grande grupo, através duma plataforma de videoconferência (14 horas) 3. Apresentação e discussão, nas últimas sessões online conjuntas, das atividades elaboradas, metodologias e materiais implementados na prática pedagógica. (6 horas) Trabalho autónomo: • Implementação de projetos, metodologias na sala de aula, construção de materiais pedagógicos e preparação do projeto a apresentar na última sessão; • Elaboração do relatório crítico: autoavaliação do trabalho realizado e sua importância no desenvolvimento dos alunos e na melhoria das aprendizagens.

Avaliação

Será aplicado o determinado no regime jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro. A classificação será realizada na escala de 1 a 10 conforme o Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos. Os participantes entregam um relatório crítico sobre o trabalho desenvolvido e a sua importância na motivação, na melhoria das aprendizagens e no desenvolvimento global dos alunos. Ponderações: 25% participação nas sessões e 75% para os trabalhos desenvolvidos e relatório final. Será usada uma escala quantitativa de 1 a 10 valores: Excelente - de 9 a 10 valores; Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; Bom - de 6,5 a 7,9 valores; Regular – de 5 a 6,4 valores; Insuficiente – de 1 a 4,9 valores. A classificação final e as horas de formação para a progressão na carreira docente constarão no certificado final a emitir pelo CFAE.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de um questionário online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

• Bivar, A., Grosso, C.; Oliveira, F., Timóteo, C.. (2013). Programa e Metas Curriculares Matemática A. Lisboa: MEC • Lencastre, J.A, Bento, M., & Magalhães, C. (2016). MOBILE LEARNING: Potencial da inovação pedagógica • Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/Open_book_of_Innovational_Education.pdf • Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME • https://www.apensarem.net/


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

As professoras: Ana Moreira e Irene Oliveira serão convidadas ao longo da formação na promoção de partilha de práticas.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 06-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
2 14-02-2023 (Terça-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Presencial
3 27-02-2023 (Segunda-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Presencial
4 07-03-2023 (Terça-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Online assíncrona
5 14-03-2023 (Terça-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Presencial
6 21-03-2023 (Terça-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Presencial
7 27-03-2023 (Segunda-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Presencial
8 17-04-2023 (Segunda-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Online assíncrona
9 02-05-2023 (Terça-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Presencial
10 15-05-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
11 16-05-2023 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial

Ref. 1022.14 Inscrições abertas até 05-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117442/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 07-02-2023

Fim: 23-05-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Pedro Miguel da Silva Rocha

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. -Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digita - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas presenciais / online síncronas e 25 horas de trabalho autónomo. As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdfMinistério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 14-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 14-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 18-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
6 02-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
7 09-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 1033.3 Inscrições abertas até 05-03-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117344/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 07-03-2023

Fim: 13-06-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Mário Miguel Pereira Guedes

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente..

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

Sessões presenciais / online síncronas: As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o \x93Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education - guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENEU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-toolLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31.07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 04-04-2023 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona
4 19-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 27-04-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
8 13-06-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 1033.4 Inscrições abertas até 05-03-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117344/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 07-03-2023

Fim: 13-06-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Vítor Manuel Noruegas Dias da Rocha

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente..

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

Sessões presenciais / online síncronas: As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o \x93Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education - guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENEU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-toolLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31.07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 09-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
5 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
6 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 30-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 13-06-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 1165.1 Inscrições abertas até 19-03-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116037/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 21-03-2023

Fim: 27-04-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Violante Maria Mira Ferreira Romão

Anabela Silva Veloso da Veiga Gloria

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário, de Educação Especial e do grupo de recrutamento 360

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário, de Educação Especial e do grupo de recrutamento 360. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Projeto Educação Inclusiva 21-23 e Plano 21|23 Escola+.

Razões

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas; - Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível; - Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos; - Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. - Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar - Planear - Agir - Rever; - Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens; - Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo; - Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras.

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas - Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais). Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas - Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos; - Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA); Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula; criação e partilha de recursos; - Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico; - O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos. Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem; - Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino.

Metodologias

Presencial/online síncrona: A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; Trabalho Autónomo: No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora.European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 23-03-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 28-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 30-03-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 04-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 18-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 20-04-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 27-04-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 12110.1 Inscrições abertas até 16-04-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119075/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 18-04-2023

Fim: 31-05-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Júlio Dantas - Lagos

Formador

Maria da Glória Carriço de Santana Paula

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Educação para a Cidadania

Razões

Com a publicação do DL 55/2018, a educação para a cidadania adquire uma nova centralidade no currículo, evidenciada (1) na obrigatoriedade de elaboração e concretização de uma Estratégia de Educação para a Cidadania em cada escola/AE, (2) na criação da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento - integrando as matrizes curriculares de todos os ciclos, níveis e cursos e, finalmente, (3) na discriminação dos domínios da cidadania que servem, complementando-se, o ideal de uma capacitação dos jovens em dimensões nucleares da vida cívica. No início do 3.º ano de aplicação do dispositivo criado pelo DL atrás referido, importa oferecer oportunidades de formação, a todos os docentes, naquelas vertentes que, pela sua relevância e/ou por requererem reflexão e apoio acrescidos, podem ser decisivas para o sucesso das escolas e dos alunos.

Objetivos

- Favorecer a generalização de uma perspetiva de abordagem integrada dos conteúdos de Cidadania e Desenvolvimento - articulando programas, metas, aprendizagens essenciais e propostas dos referenciais -, com base num inventário de condutas observáveis, por áreas de competência do perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória (PASEO). - Incentivar o trabalho colegial de desenvolvimento curricular das equipas educativas, valorizando a plena assunção da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento como parte integrante obrigatória da matriz curricular-base para cada ciclo e nível. - Articular reflexivamente as disposições contidas nos normativos com as opções das escolas, fixadas nos respetivos critérios de avaliação. - Considerar a relevância das aprendizagens informais e os meios de as incorporar na avaliação dos alunos e da Estratégia. - Apreciar criticamente as práticas em curso e contribuir para o seu aperfeiçoamento, a partir dos elementos de diagnóstico disponíveis.

Conteúdos

O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória (PASEO) e a componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento (7h) 1.1. Mobilização do conceito de competência no âmbito da educação para a cidadania: conhecimentos, capacidades, atitudes/valores; centralidade do agir. 1.2. Áreas de competência do PASEO: condutas sociais que mobilizam competências relevantes na esfera da cidadania (exercício de exploração). 1.3. Modalidades de concretização do carácter transdisciplinar da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento (1º ciclo; 2º e 3º ciclos; ensino sec.). 1.4. Visão (intencionalidade) subjacente à Estratégia de Escola: a aliança entre o comum (PASEO) e o singular (variáveis de contexto relevantes). 2. Os conteúdos da educação para a cidadania fixados nos documentos curriculares: níveis de articulação compreendendo programas, metas, aprendizagens essenciais e domínios (7h) 2.1. Construção da Estratégia: opções de gestão curricular projetadas para um ciclo longo de escolarização (3+) 12 anos; ligação ao projeto educativo. 2.2. Aprendizagens essenciais, domínios e temas: seleção dos conteúdos relevantes, consideradas diversas modalidades de inserção da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento e as variáveis contextuais relevantes (exercício de exploração). 2.3. Equipas educativas (1): práticas de desenvolvimento curricular (articulação disciplinar com abordagem interdisciplinar \x96 aprendizagens essenciais, domínios, temas, descritores de desempenho). 2.4. Equipas educativas (2): dinâmicas de trabalho pedagógico (seleção e concretização de métodos e técnicas adequados à promoção da qualidade e eficiência educativas), gestão do tempo e avaliação. 3. Avaliação (7h) 3.1. Práticas de avaliação em educação para a cidadania no contexto internacional. 3.2. Orientações fixadas nos normativos (leis, decretos-lei, portarias, informações-prova IAVE) e critérios de avaliação de escola (exercício de exploração). 3.3. Avaliação e classificação. Os observáveis em Cidadania e Desenvolvimento: descritores de desempenho; instrumentos de avaliação; registo e classificação. 3.4. Whole school approach, aprendizagens informais em Cidadania e Desenvolvimento e avaliação da Estratégia. Indicadores de desempenho. 4. Apresentação de trabalhos (4h)

Metodologias

Exploração dos temas propostos, com adequado suporte teórico. Reflexão, análise e discussão em grupo, com recurso a fontes documentais pertinentes. Debate em plenário.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final elaborado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia/EACEA/Eurydice (2017). A Educação para a Cidadania nas Escolas da Europa – 2017. Relatório Eurydice. Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia.OECD (2018). Preparing our youth for an inclusive and sustainable world. The OECD PISA global competence framework. https://www.oecd.org/education/Global-competency-for-an-inclusive-world.pdfJaap Scheerens (2011). Indicators on informal learning for active citizenship at school. https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11092-011-9120-8LPSD (s/d) Character and Citizenship Education Guiding Document (draft) https://www.lpsd.ca/download/9879Kerr, D., Keating, A. and Ireland, E. (2009). Pupil Assessment in Citizenship Education: Purposes, Practices and Possibilities. Report of a CIDREE Collaborative Project. Slough: NFER/CIDREE.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 02-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 09-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 30-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 31-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 1081 Inscrições abertas até 10-04-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-113323/21

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 19-04-2023

Fim: 07-06-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Sec. Júlio Dantas e Estação da Biodiversidade - Lagos

Formador

Paula Virgínia Serra Parreira Banza

Destinatários

Professores dos Grupos 230, 520

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 230, 520. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 230, 520.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e Associação A Rocha

Razões

O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e a Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania delegam na escola a importante contribuição para formar nos alunos esta consciência de sustentabilidade, da qual depende a continuidade da nossa civilização no planeta Terra. Os valores e competências que os alunos adquirem ao longo do seu percurso escolar são cruciais para que a sua intervenção na sociedade seja realizada de forma livre, fundamentada e participada nas grandes questões que preocupam os seres humanos. Um dos princípios fundamentais é a "Educação para a Sustentabilidade", tendo como um dos alicerces o valor da cidadania e participação. Neste sentido, o ensino das Ciências constitui uma componente importante na Educação para a Cidadania e deverá contribuir para que os alunos, enquanto cidadãos, interajam de forma autónoma, consciente e construtiva com a sociedade e o ambiente. Nesta Oficina de Formação propomos abordar as temáticas relacionadas com a Biodiversidade e Sustentabilidade na Terra, tendo como referência o tema da polinização e dos polinizadores. A polinização de plantas com flor realizada por animais é um serviço dos ecossistemas de grande valor para a humanidade. Presentemente existe uma preocupação global relativamente ao declínio dos insetos e muitos estudos comprovam o declínio de insetos polinizadores. Trata-se, portanto, de um tema emergente cuja abordagem poderá, certamente, contribuir para garantir que os processos de ensino-aprendizagem ajudem os alunos a desenvolver formas de relacionamento responsável com os seus concidadãos e, também, com os outros seres vivos.

Objetivos

1. Potenciar atividades de indagação e pequenas investigações, incluindo preferencialmente a utilização de atividades laboratoriais e de campo. 2. Privilegiar atividades práticas suscitadas por situações problemáticas abertas que favoreçam a explicitação das conceções prévias dos alunos. 3. Formulação e confrontação de hipóteses, a eventual planificação e realização de atividades experimentais e respetivo registo de dados, atribuindo especial ênfase à introdução de novos conceitos e à sua integração e estruturação nas representações mentais dos alunos. 4. Aplicação dos conhecimentos adquiridos às competências na área de Bem-estar, Saúde e Ambiente no sentido da promoção, criação e transformação da qualidade de vida do indivíduo e da sociedade. 5. Promover o desenvolvimento e incremento da literacia científica de professores e alunos. 6. Realizar trabalho cooperativo, promovendo um clima de diálogo e de participação entre todos.

Conteúdos

1. Polinização do ponto de vista das plantas (inclui uma apresentação teórica e uma atividade laboratorial de observação de grãos de pólen ao Microscópio Ótico Composto). 2. As principais ordens de insetos polinizadores (inclui uma apresentação teórica, uma mostra de insetos e um jogo de identificação de insetos nas suas respetivas Ordens). 3. Abelhas, abelhões, vespas e afins (apresentação teórica onde se referem as principais características dos insetos relativamente à polinização). 4. Como atrair polinizadores aos nossos jardins (inclui sugestões sobre como atrair insetos polinizadores aos nossos jardins. 5. Borboletas noturnas e borboletas diurnas (apresentação teórica onde se referem as principais características dos insetos relativamente à polinização). 6. Saída de campo à Estação da Biodiversidade de Lagos (com o objetivo de Captura e identificação de insetos das várias Ordens). 7. Elaboração das propostas de trabalho a apresentar pelos formandos (apoiado pelos formadores. 8. Apresentação dos trabalhos dos formandos. 9. Avaliação da Oficina de Formação.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas presenciais e três etapas fundamentais: - Uma componente presencial conjunta, onde serão explorados os conteúdos teórico-práticos e a orientação para elaboração de um projeto / implementação de metodologias e/ou materiais pedagógicos. (21 horas presenciais) - Uma componente de trabalho autónomo dos formandos, individualmente ou em grupo: - Implementação de projetos / metodologias / materiais pedagógicos; - Preparação dos materiais para apresentação à turma, na última sessão; - Elaboração do relatório crítico: autoavaliação do trabalho realizado e sua importância no desenvolvimento dos alunos e na melhoria das aprendizagens. (25 horas autónomas) - A oficina terminará com a apresentação e discussão, na última sessão presencial conjunta, do relatório crítico do formando sobre o projeto / metodologias / materiais implementados na prática pedagógica. (4 horas presenciais).

Avaliação

Os participantes procedem à apresentação de um relatório crítico sobre o trabalho desenvolvido e sua importância na motivação, na melhoria das aprendizagens e no desenvolvimento global dos alunos. Avaliação final do formando: - Ponderações: 25% participação nas sessões e 75% para os trabalhos desenvolvidos e relatório final do formando. - Para a avaliação final individual de cada professor será usada uma escala quantitativa de 1 a 10 valores: Excelente - de 9 a 10 valores; Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; Bom - de 6,5 a 7,9 valores; Regular - de 5 a 6,4 valores; Insuficiente - de 1 a 4,9 valores. A classificação final e as horas de formação para a progressão na carreira docente constarão no certificado final a emitir pelo Centro de Formação.']

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Maravalhas, E. (2000) The Butterflies of Portugal, Ernestino Maravalhas EditorBuchmann, S. L. & Nabhan, G. P. (1996) The Forgotten Pollinators. Washington DC: Island.Steven, F. 2019 Field guide to the Bees of Great Britain and Ireland, Bloomsbury PublishingStuart, B. & Roger, M.2(015) Britain’s Hoverflies- A Field guide revised and updated, second edition, WILDGuidesVanbergen A. J. & The Insect Pollinators Initiative (2013) Threats to an ecosystem service: pressures on pollinators. Frontiers in Ecology and the Environment, 11: 251–259. doi.org/10.1890/120126


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 03-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 10-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 13-05-2023 (Sábado) 08:30 - 14:30 6:00 Presencial
6 17-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 07-06-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 12015.1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117156/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 28-01-2023

Fim: 30-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Básica das Naus e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Nadia Diogo Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

No campo da inovação pedagógica, a articulação entre ensinar e aprender implica afirmar que a centralidade da atividade dos alunos não faz recusar o ato de ensinar e o papel de interlocução qualificada dos professores, o que se recusa é a hegemonia do ato de ensinar que parece assentar no mito ingénuo de que os alunos aprendem sozinhos ou só aprendem quando os professores ensinam. Vivemos tempos de transformação e de inovação em Portugal. O reconhecimento desta mudança surge do entendimento que temos sobre as conceções e práticas inerentes aos processos de ensino, de aprendizagem e de avaliação e este exercício não pode ser dissociado dos lugares que ocupam os professores, os alunos e o conhecimento em cada ato pedagógico. Se não podemos negar que hoje as políticas educativas se orientam pelos princípios da inclusão e da equidade, também é verdade que "a refundação da Escola tem muitos caminhos e, como tal, é preciso que os professores sejam capazes de refletir sobre a sua profissão" (Nóvoa, 1999, p. 14). A formação e capacitação dos professores surgem, assim, como momentos privilegiados para a reflexão crítica sobre as experiências que se desenvolvem em sala de aula, onde se procura contextualizar as ações pedagógicas à luz da sua intencionalidade e pertinência. Nesta oficina pretende-se aprofundar a reflexão sobre um conjunto de métodos, aos quais se podem associar de forma individual ou cumulativa um conjunto de estratégias ou recursos de modo a reorganizar o trabalho pedagógico e relacionando-o com as etapas dos diferentes métodos de modo a respeitar o princípio da sequência didática.

Objetivos

- (i) Promover a reflexão dos professores sobre a importância e a valorização atribuída à atividade dos alunos, enquanto condição fundamental à concretização das suas aprendizagens; - (ii) Promover a reflexão dos professores sobre as possibilidades de conciliar o protagonismo dos alunos com os constrangimentos institucionais e curriculares que caracterizam o universo escolar; -(iii) Promover a reflexão dos professores a natureza, função e utilização de diferentes dispositivos pedagógicos que poderão estimular a atividade dos alunos, potenciando as suas aprendizagens; -(Iv) Reconhecer as principais caraterísticas e etapas de diferentes métodos, estratégias e recursos na constituição de metodologias inclusivas e promotoras de aprendizagens ativas. -(v) Planear, realizar e avaliar práticas pedagógicas recorrendo a diferentes métodos, estratégias e recursos na constituição de metodologias inclusivas e promotoras de aprendizagens ativas.

Conteúdos

1. Questões em torno das práticas pedagógicas e Paradigmas pedagógicos; 2. Diferenciação Pedagógica \x96 Como chegar à personalização da resposta educativa?; 3. Metodologias, métodos e estratégias de ensino: Tarefas, estratégias e recursos; 4. Metodologias, métodos e estratégias de ensino: a. Método expositi; b. Sala de aula invertida; c. Estudos de caso; d. Aprendizagem por descoberta guiada; e. Aprendizagem baseada na resolução de problemas; f. Design Thinkin; g. Trabalho de Projeto; 5. Avaliação da e para as aprendizagens.

Metodologias

Presencial: A oficina terá a duração de 25 horas presenciais e três etapas fundamentais: 1. Uma componente presencial conjunta, onde serão explorados os conteúdos teórico-práticos e a orientação para elaboração de um projeto / implementação de métodos e estratégias e/ou materiais pedagógicos. (21 horas presenciais) 2. Uma componente de trabalho autónomo dos formandos, individualmente ou em grupo: 3. A oficina terminará com a apresentação e discussão, na última sessão presencial conjunta, do relatório crítico do formando sobre o projeto / metodologias / materiais implementados na prática pedagógica. (4 horas presenciais). Trabalho Autónomo: - Implementação de projetos / métodos/ estratégias/ na sala de aula e construção de materiais pedagógicos; - Preparação dos materiais para apresentação à turma, na última sessão; - Elaboração do relatório crítico : autoavaliação do trabalho realizado e sua importância no desenvolvimento dos alunos e na melhoria das aprendizagens. (25 horas autónomas).

Avaliação

Os participantes procedem à apresentação de um relatório crítico sobre o trabalho desenvolvido e sua importância na motivação, na melhoria das aprendizagens e no desenvolvimento global dos alunos. - Avaliação final do formando: Ponderações: 25% para a participação nas sessões e 75% para os trabalhos desenvolvidos e relatório final do formando. - Para a avaliação final individual de cada professor será usada uma escala quantitativa de 1 a 10 valores: Excelente - de 9 a 10 valores; Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; Bom - de 6,5 a 7,9 valores; Regular - de 5 a 6,4 valores; Insuficiente -de 1 a 4,9 valores. - A classificação final e as horas de formação para a progressão na carreira docente constarão no certificado final a emitir pelo Centro de Formação.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Cosme, A., Trindade, R., & Groppa, A. J. (2020). Epistemologia, ensino e inovação. Educação, Sociedade & Culturas, 55, 7-11.Cosme, A.; Ferreira, D.; Lima, L. & Ferreira, N. (2021) Metodologias, Métodos e Situações de Aprendizagem: Propostas e Estratégias de Ação. Porto Editora: PortoNóvoa, A. (1999). Os professores na virada do milênio: Do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, 11-20.Ferreira, N. (2021). Conhecimento Didático e Prática Pedagógica de futuros professores no ensino dos números racionais. (Dissertação de Doutoramento). Universidade de Lisboa,Hargreaves, A. (2001). Os professores em tempos de mudança. O trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: Mc Graw-Hill.

Anexo(s)

Programa acreditado da ação de formação


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-01-2023 (Sábado) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
2 28-01-2023 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Presencial
3 02-02-2023 (Quinta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
4 02-02-2023 (Quinta-feira) 19:30 - 20:30 1:00 Online assíncrona
5 15-02-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
6 15-02-2023 (Quarta-feira) 19:30 - 20:30 1:00 Online assíncrona
7 02-03-2023 (Quinta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
8 02-03-2023 (Quinta-feira) 19:30 - 20:30 1:00 Online assíncrona
9 22-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
10 22-03-2023 (Quarta-feira) 19:30 - 20:30 1:00 Online assíncrona
11 30-03-2023 (Quinta-feira) 17:30 - 21:30 4:00 Online síncrona
12 30-03-2023 (Quinta-feira) 21:30 - 23:30 2:00 Online assíncrona

Ref. 12913.1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116499/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 25-01-2023

Fim: 22-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Maria Clara de Paiva Boléo da Silva Rato

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

O Plano Nacional de Leitura 2027 (PNL2027) iniciou a implementação de um repositório digital de Roteiros de Leitura realizados em torno de obras constantes das listas do PNL2027 e obras constantes das Aprendizagens Essenciais e Programas em vigor em Portugal (ver exemplo em https://youtu.be/k3BwgxFpU2s). Entre outras áreas de intervenção, o PNL 2027, pretende: realizar o incentivo à leitura extensiva, reflexiva e em profundidade de livros impressos e/ou digitais, através de estratégias e contextos diversificado; promover o fomento do uso de ferramentas digitais como estratégia pedagógica para motivação e melhoria da leitura e da escrita. Nesse sentido, esta ação de formação, inspirada no projeto "Google Lit Trips" da Associação Não Lucrativa GLT Global Ed (http://www.gltglobaled.org/aboutGLTGE/gltGlobalED.php) e, na continuidade de uma edição anterior que privilegiou ferramentas disponíveis nas escolas, pretende tirar partido das mais recentes possibilidades tecnológicas e necessidades de continuar a providenciar cenários de aprendizagem em ambiente presencial, a distância ou misto, nos diversos ciclos de ensino, permitindo de envolver os alunos, ajudando-os a ver as conexões e aplicações do que estão a aprender no seu ambiente de aprendizagem, ao mundo real.

Objetivos

- Compreender a importância de recursos educativos digitais de qualidade na organização dos processos de ensino e aprendizagem no século XXI; - Reforçar o entendimento do potencial da literacia digital na promoção da competência leitora, dotando professores e alunos de novos recursos e estratégias. - Conhecer as finalidades e estrutura de diversas ferramentas para a realização de recursos educativos digitais georreferenciados, nomeadamente o Google Earth Web e suas potencialidades pedagógicas; - Conceber Guiões Pedagógicos que contextualizam ferramentas digitais que beneficiem da georreferenciação para a realização de atividades de natureza interdisciplinar e que promovam a leitura, o pensamento crítico e a criatividade; - Compreender a importância do desenho de percursos de aprendizagem autónoma numa perspetiva de trabalho de projeto interdisciplinar; - Planificar e construir recursos educativos com o Google Earth Web e aplicá-los em contextos de ensino/aprendizagem, em projetos de aprendizagem ativa, promovendo aprendizagens significativas e o trabalho colaborativo e cooperativo entre docentes e entre alunos.

Conteúdos

A. O Conceito de aprendizagem ativa e exemplos de boas práticas explorando as potencialidades pedagógicas do Google Earth Web. Apresentação do projecto "Google Lit Trips" (G LT Global Ed ). B. Aprendizagens Essenciais, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e o desenho de Domínios de Articulação Curricular. C. Literacia disciplinar, interdisciplinaridade e trabalho colaborativo (metodologia de trabalho de projeto). D. O conceito "Roteiro Digital de Leitura": exploração de vários recursos construídos como projetos de aprendizagem interdisciplinar desenvolvidos por docentes e alunos de forma colaborativa / cooperativa com recurso a versões anteriores do Google Earth e integrando outras ferramentas da Google como a Google Drive. E. Ferramentas e tutoriais para a produção de RDL - georreferenciação: Google Earth, Google Os Meus Mapas, Google Tour Builder e Google Earth Web . - produção e partilha: Google Drive, Youtube. - o desenho de um Guião Pedagógico. F. Ferramentas para avaliação formativa da leitura: Formulários Google e Quizizz. G. Exploração do Google Earth Web tendo em vista o seu potencial educativo: 1. O Ecossistema Google (aplicação Conta, Navegador e Perfil); 2. Estrutura do Google Earth Web (para computador e dispositivos móveis); 3. Pesquisa\r\n4. Voyager; 4. Estilo do Mapa e Fotos; 5. Definições; 6. Marcadores e Separadores; 7. Edição de conteúdo (texto, imagens e hiperligações); H. Criação de guiões pedagógicos que contextualizem e orientem o desenho de recursos educativos digitais, com base nos contextos específicos de cada grupo de formandos orientados para constituírem projetos de aprendizagem dos alunos nas várias disciplinas (Português, História, Geografia, História e Geografia de Portugal) e o desenvolvimento do perfil do aluno do séc. XXI.

Metodologias

Sessões Presenciais: - Exemplificação da aplicabilidade prática do Google Earth e de outras ferramentas da Google - Construir recursos utilizando a metodologia de trabalho de projeto de forma a promover aprendizagens disciplinares e interdisciplinares, evidenciando as conexões e aplicações do que os alunos estão a aprender na sala de aula, no mundo real; - Desenho do Projeto de “Roteiro Digital de Leitura” individual, por cada formando integrando a contribuição de várias disciplinas de forma interdisciplinar; - Reflexão partilhada sobre as experiências dos formandos relativamente aplicação das atividades e recursos criados, sobre o desenho de “Roteiro Digital de Leitura” desenvolvido e explorado em contexto de ensino e aprendizagem junto dos alunos, e sobre a aplicação prática e interesse educativo das possibilidades da utilização de novas metodologias de ensino e de aprendizagem ativa e significativa com seus alunos utilizando, de forma colaborativa e integrada, o Google Earth Web e outras ferramentas Google. Trabalho Autónomo: - Planificar atividades e elaborar documentos, recursos e materiais utilizando as ferramentas exploradas nas sessões conjuntas, e explorá-los em sala de aula. - Desenho do Projeto de “Roteiro Digital de Leitura” individual, por cada formando integrando a contribuição de várias disciplinas de forma interdisciplinar, aplica-lo em sala de aula e refletir criticamente sobre essa aplicação.

Avaliação

Os formandos serão classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC n.° 3/ 2007, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua, com base na qualidade de: - Participação nas atividades de discussão/reflexão propostas ao longo da ação; - Tarefas realizadas nas sessões; - Planificação das atividades de aprendizagem ativa e do projeto "Viagens Literárias" para exploração com os alunos em contexto de ensino e aprendizagem (roteiro pedagógico); - Reflexão individual sobre a aplicação em contexto de ensino e aprendizagem das atividades de: a) aprendizagem ativa e do projeto "Viagens Literárias" desenhado com ferramentas Google; b) Apresentação e partilha final do trabalho desenvolvido.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Annenberg Learner, What Is Disciplinary Literacy? , s.d. Disponível em https://www.learner.org/series/reading-writing-in-the-disciplines/what-is-disciplinary-lite racy/ Consultado a 19 de agosto de 2020.Coldwell, J., Craig, A. & Goold, A. ( 2011) Using e-Technologies for Active Learning . Interdisciplinary Journal of Information, Knowledge, and Management, 6, 95-106. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/228986229_Using_eTechnologies_for_Active_ Learning Consultado a 10 de agosto de 2020.ILA (International Literacy Association) (2017). Content Area and Disciplinary Literacy: Strategies and Frameworks. Disponível em https://www.literacyworldwide.org/docs/default-source/where-we-stand/ila-content-are a-disciplinary-literacy-strategies-frameworks.pdf?sfvrsn=e180a58e_6 Consultado a 10 de agosto de 2020.Miragaia, E., & Balula, J. P. (2017). Estratégias para o desenvolvimento da compreensão de textos literários na sala de aula. In L. Menezes, A. P. Cardoso, B. Rego, J. P. Balula, M. Figueiredo, & S. Felizardo (Eds). Olhares sobre a Educação: em torno da formação de professores (pp. 131-139). Viseu: Escola Superior de Educação de Viseu (ESEV).Patterson, Todd C. (2007), Google Earth as a (Not Just) Geography Education Tool, Journal of Geography, Vol. 106 (4), 145 – 152. Disponível em http ://ww w.informaw orld.com/smpp /c ontent content=a788160864 Consultado a 10 de agosto de 2020.


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 25-01-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 01-02-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 20:00 1:30 Online síncrona
3 01-02-2023 (Quarta-feira) 20:00 - 21:30 1:30 Online assíncrona
4 08-02-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 20:00 1:30 Online síncrona
5 08-02-2023 (Quarta-feira) 20:00 - 21:30 1:30 Online assíncrona
6 15-02-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 01-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 20:00 1:30 Online síncrona
8 01-03-2023 (Quarta-feira) 20:00 - 21:30 1:30 Online assíncrona
9 08-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 20:00 1:30 Online síncrona
10 08-03-2023 (Quarta-feira) 20:00 - 21:30 1:30 Online assíncrona
11 15-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 20:00 1:30 Online síncrona
12 15-03-2023 (Quarta-feira) 20:00 - 21:30 1:30 Online assíncrona
13 22-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 21:30 4:00 Presencial

Ref. 1022.15 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117442/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 24-01-2023

Fim: 16-05-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Olavo Daniel Cristina Rodrigues

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. -Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digita - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas presenciais / online síncronas e 25 horas de trabalho autónomo. As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdfMinistério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 24-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 07-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 28-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
5 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 18-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 02-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
8 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 12015.2 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117156/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 21-01-2023

Fim: 29-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Básica das Naus e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Nadia Diogo Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

No campo da inovação pedagógica, a articulação entre ensinar e aprender implica afirmar que a centralidade da atividade dos alunos não faz recusar o ato de ensinar e o papel de interlocução qualificada dos professores, o que se recusa é a hegemonia do ato de ensinar que parece assentar no mito ingénuo de que os alunos aprendem sozinhos ou só aprendem quando os professores ensinam. Vivemos tempos de transformação e de inovação em Portugal. O reconhecimento desta mudança surge do entendimento que temos sobre as conceções e práticas inerentes aos processos de ensino, de aprendizagem e de avaliação e este exercício não pode ser dissociado dos lugares que ocupam os professores, os alunos e o conhecimento em cada ato pedagógico. Se não podemos negar que hoje as políticas educativas se orientam pelos princípios da inclusão e da equidade, também é verdade que "a refundação da Escola tem muitos caminhos e, como tal, é preciso que os professores sejam capazes de refletir sobre a sua profissão" (Nóvoa, 1999, p. 14). A formação e capacitação dos professores surgem, assim, como momentos privilegiados para a reflexão crítica sobre as experiências que se desenvolvem em sala de aula, onde se procura contextualizar as ações pedagógicas à luz da sua intencionalidade e pertinência. Nesta oficina pretende-se aprofundar a reflexão sobre um conjunto de métodos, aos quais se podem associar de forma individual ou cumulativa um conjunto de estratégias ou recursos de modo a reorganizar o trabalho pedagógico e relacionando-o com as etapas dos diferentes métodos de modo a respeitar o princípio da sequência didática.

Objetivos

- (i) Promover a reflexão dos professores sobre a importância e a valorização atribuída à atividade dos alunos, enquanto condição fundamental à concretização das suas aprendizagens; - (ii) Promover a reflexão dos professores sobre as possibilidades de conciliar o protagonismo dos alunos com os constrangimentos institucionais e curriculares que caracterizam o universo escolar; -(iii) Promover a reflexão dos professores a natureza, função e utilização de diferentes dispositivos pedagógicos que poderão estimular a atividade dos alunos, potenciando as suas aprendizagens; -(Iv) Reconhecer as principais caraterísticas e etapas de diferentes métodos, estratégias e recursos na constituição de metodologias inclusivas e promotoras de aprendizagens ativas. -(v) Planear, realizar e avaliar práticas pedagógicas recorrendo a diferentes métodos, estratégias e recursos na constituição de metodologias inclusivas e promotoras de aprendizagens ativas.

Conteúdos

1. Questões em torno das práticas pedagógicas e Paradigmas pedagógicos; 2. Diferenciação Pedagógica \x96 Como chegar à personalização da resposta educativa?; 3. Metodologias, métodos e estratégias de ensino: Tarefas, estratégias e recursos; 4. Metodologias, métodos e estratégias de ensino: a. Método expositi; b. Sala de aula invertida; c. Estudos de caso; d. Aprendizagem por descoberta guiada; e. Aprendizagem baseada na resolução de problemas; f. Design Thinkin; g. Trabalho de Projeto; 5. Avaliação da e para as aprendizagens.

Metodologias

Presencial: A oficina terá a duração de 25 horas presenciais e três etapas fundamentais: 1. Uma componente presencial conjunta, onde serão explorados os conteúdos teórico-práticos e a orientação para elaboração de um projeto / implementação de métodos e estratégias e/ou materiais pedagógicos. (21 horas presenciais) 2. Uma componente de trabalho autónomo dos formandos, individualmente ou em grupo: 3. A oficina terminará com a apresentação e discussão, na última sessão presencial conjunta, do relatório crítico do formando sobre o projeto / metodologias / materiais implementados na prática pedagógica. (4 horas presenciais). Trabalho Autónomo: - Implementação de projetos / métodos/ estratégias/ na sala de aula e construção de materiais pedagógicos; - Preparação dos materiais para apresentação à turma, na última sessão; - Elaboração do relatório crítico : autoavaliação do trabalho realizado e sua importância no desenvolvimento dos alunos e na melhoria das aprendizagens. (25 horas autónomas).

Avaliação

Os participantes procedem à apresentação de um relatório crítico sobre o trabalho desenvolvido e sua importância na motivação, na melhoria das aprendizagens e no desenvolvimento global dos alunos. - Avaliação final do formando: Ponderações: 25% para a participação nas sessões e 75% para os trabalhos desenvolvidos e relatório final do formando. - Para a avaliação final individual de cada professor será usada uma escala quantitativa de 1 a 10 valores: Excelente - de 9 a 10 valores; Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; Bom - de 6,5 a 7,9 valores; Regular - de 5 a 6,4 valores; Insuficiente -de 1 a 4,9 valores. - A classificação final e as horas de formação para a progressão na carreira docente constarão no certificado final a emitir pelo Centro de Formação.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Cosme, A., Trindade, R., & Groppa, A. J. (2020). Epistemologia, ensino e inovação. Educação, Sociedade & Culturas, 55, 7-11.Cosme, A.; Ferreira, D.; Lima, L. & Ferreira, N. (2021) Metodologias, Métodos e Situações de Aprendizagem: Propostas e Estratégias de Ação. Porto Editora: PortoNóvoa, A. (1999). Os professores na virada do milênio: Do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, 11-20.Ferreira, N. (2021). Conhecimento Didático e Prática Pedagógica de futuros professores no ensino dos números racionais. (Dissertação de Doutoramento). Universidade de Lisboa,Hargreaves, A. (2001). Os professores em tempos de mudança. O trabalho e a cultura dos professores na idade pós-moderna. Lisboa: Mc Graw-Hill.

Anexo(s)

Programa acreditado da ação de formação


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 21-01-2023 (Sábado) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
2 21-01-2023 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Presencial
3 01-02-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
4 01-02-2023 (Quarta-feira) 19:30 - 20:30 1:00 Online assíncrona
5 16-02-2023 (Quinta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
6 16-02-2023 (Quinta-feira) 19:30 - 20:30 1:00 Online assíncrona
7 01-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
8 01-03-2023 (Quarta-feira) 19:30 - 20:30 1:00 Online assíncrona
9 22-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
10 22-03-2023 (Quarta-feira) 19:30 - 20:30 1:00 Online assíncrona
11 29-03-2023 (Quarta-feira) 17:30 - 21:30 4:00 Online síncrona
12 29-03-2023 (Quarta-feira) 21:30 - 23:30 2:00 Online assíncrona

Ref. 1022.16 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117442/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 17-01-2023

Fim: 18-04-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Vítor Manuel Noruegas Dias da Rocha

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. -Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digita - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas presenciais / online síncronas e 25 horas de trabalho autónomo. As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdfMinistério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 17-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 24-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 31-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 07-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
5 14-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 28-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
7 14-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 18-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 1237.1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117155/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 16-01-2023

Fim: 08-05-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Júlio Dantas - Lagos

Formador

Sandra Maria Domingues Gonçalves Correia

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

A formação de professores na esfera da avaliação e intervenção em dislexia é um fator essencial para a existência de uma diferenciação adequada em contexto de sala de aula, já que, de acordo com a DISLEX- Associação Portuguesa de Dislexia, esta condição neurológica, que se traduz em dificuldades acentuadas nos processos de aquisição da leitura e da escrita, afeta 48% dos alunos com necessidades educativas. A afirmação de que a dislexia é uma perturbação do desenvolvimento permanente que afeta as habilidades leitora e ortográfica é consensual na literatura científica (Snowling, 2014). Resulta de um défice na componente fonológica da linguagem e caracteriza-se por dificuldades na descodificação grafofonémica, no reconhecimento adequado das palavras, na compreensão leitora e por um discurso pobre, podendo repercutir-se também noutras áreas académicas e a nível emocional e comportamental. A aprendizagem da leitura exige que os alunos sejam capazes de converter grafemas nos fonemas correspondentes, mediante a ativação de distintos substratos neuronais (Moura, Pereira & Simões, 2018). Esta aprendizagem torna-se especialmente difícil, demorada e até frustrante para as crianças disléxicas, provocando uma crescente desmotivação face às aprendizagens académicas e, paralelamente, representa um risco acrescido de insucesso escolar. A pertinência desta oficina de formação justifica-se pela ausência de formação inicial e contínua nesta área, sendo necessário, por um lado, desconstruir mitos relacionados com a dislexia e, por outro, dotar os professores de estratégias e ferramentas pedagógicas adequadas e diferenciadoras que potenciem a melhoria das respostas educativas.

Objetivos

- Clarificar o conceito de dislexia e outros associados (disortografia, discalculia e disgrafia, entre outros); - Identificar os sinais de alerta, detetar precocemente as dificuldades e promover a atualização de conhecimentos neste âmbito; - Capacitar os docentes para aperfeiçoarem a qualidade da ação educativa, indo ao encontro das necessidades educativas dos alunos disléxicos, intervindo o mais precocemente possível e diferenciando as formas de apresentação e de exploração dos conteúdos curriculares, de acordo com o disposto no DL n.º 54/2018 - Desenvolver competências no âmbito da avaliação da leitura e da escrita que permitam aos docentes distinguir dificuldades de aprendizagem decorrentes de fatores ambientais de dificuldades de aprendizagem resultantes da dislexia; - Envolver os professores participantes na definição de procedimentos de ação, na diversificação de estratégias e na criação de materiais de intervenção adequados aos seus diferentes contextos de trabalho; - Aplicar, nos contextos pedagógico-didáticos, os materiais e exercícios produzidos;\r\n- Refletir sobre a prática e os resultados obtidos.

Conteúdos

Módulo I - 6 horas 1.1. Apresentação da Oficina de Formação e organização dos trabalhos. 1.2. Dislexia: conceito, historial e comorbilidades: - Dislexia: da definição ao conceito; - Historial e etiologia (fatores neurobiológicos, sociolinguísticos e ambientais); - As comorbilidades mais frequentes: disortografia, discalculia, disgrafia, Défice de Atenção, Motricidade e Perceção (DAMP) e Perturbação de Hiperatividade com Défice de Atenção (PHDA); - Dinâmica de grupo: Qual é o texto do aluno disléxico? Módulo II - 5 horas 2.1. O diagnóstico de dislexia/perturbação específica da aprendizagem: - Desenvolvimento da linguagem; - Sinais de alerta na infância (indicadores precoces) e na idade escolar (indicadores tardios); - Marcadores cognitivos de dislexia: consciência fonémica; fluência da leitura de palavras isoladas; fluência da leitura de pseudopalavras; e memória verbal; - Leitura (descodificação grafofonémica e compreensão da leitura); - Expressão escrita; - Critérios de diagnóstico (DSM-5). 2.2. Avaliação - Avaliação da leitura oral; - Avaliação da compreensão da leitura; - Avaliação especializada em equipa multidisciplinar; - Apresentação de exemplos práticos e aplicação de conhecimentos (trabalho de grupo); - Elaboração de relatórios pedagógicos compreensivos. Módulo III - 6 horas 3.1. Enquadramento legislativo da Educação Inclusiva - Decreto-lei n.º 54/2018: - Opções metodológicas subjacentes ao DL n.º 54/2018: Desenho Universal para a Aprendizagem (DUA) e Abordagem Multinível; - Linhas de atuação do Centro de Apoio à Aprendizagem no que toca aos alunos disléxicos. 3.2. Intervenção e reeducação da leitura e da escrita: - Articulação com a família e restantes atores educativos; - Conhecimento das características individuais dos alunos disléxicos (estilo de aprendizagem, gostos, interesses, hábitos de trabalho, de leitura); - Métodos de ensino da leitura e da escrita: método sintético (alfabético, fónico e silábico); método João de Deus; método Jean-Qui-Rit (corporal e gestual); método analítico ou global; método das 28 palavras; método natural; e métodos mistos. - Metodologias a adotar (ascendentes, multissensoriais); - Estratégias a implementar (bottom up, fónicas); - Recursos a mobilizar (construção de materiais, open source software e jogos didáticos); - O papel do docente de Educação Especial na reeducação da leitura e da escrita (intervenção direta); - O papel do docente de Educação Especial no aconselhamento aos docentes do ensino regular (consultoria), nomeadamente na planificação da ação educativa por referência ao DUA, e aos pais/encarregados de educação. Módulo IV - 5 horas 4.1. Instrumentos estruturantes da ação educativa: - Linhas orientadoras para a elaboração de relatórios técnico-pedagógicos; - As adaptações ao processo de avaliação; - As adaptações curriculares não significativas (ACNS); - Aplicação prática dos conteúdos abordados (trabalho de grupo). 4.2. Monitorização do planeamento e da intervenção: - Criação de instrumentos que permitam monitorizar a planificação da intervenção e a própria intervenção (com enfoque na necessidade de dar feedback aos alunos e aos encarregados de educação); - Redação de sínteses descritivas e avaliativas (para atas e memorandos); - Apresentação de exemplos práticos; - Dinâmica de grupo: simulação de situações de aprendizagem (mediante uma distribuição aleatória de cartões que orientam a tarefa). Módulo V - 3 horas 5. Apresentação de trabalhos e avaliação da Oficina de Formação.

Metodologias

Sessões Presenciais conjuntas: As sessões presenciais serão momentos de reflexão conjunta, a qual decorrerá não só dos conteúdos teóricos, de documentos e de materiais disponibilizados pela formadora, mas também dos relatos de práticas vivenciadas pelos professores nas suas turmas, da análise de situações específicas ou, ainda, do resultado da aplicação de materiais produzidos em trabalho autónomo. Serão utilizadas metodologias ativas que promovam a participação continuada dos formandos, valorizando-se a experiência pedagógica e a aplicabilidade dos conhecimentos adquiridos durante a ação de formação. É com base neste aparato metodológico que os diferentes grupos irão realizar os trabalhos que, posteriormente, apresentarão ao grande grupo, privilegiando-se sempre a reflexão, o debate e a discussão de ideias. Trabalho autónomo O trabalho autónomo será desenvolvido em contextos educativos, onde os formandos desenvolvem metodologias e práticas trabalhadas nas sessões presenciais, e concretizado através de um trabalho de natureza multidisciplinar, interdisciplinar e transdisciplinar, por forma a criar ambientes de aprendizagem inovadores e desafiantes.

Avaliação

A avaliação dos formandos decorre em conformidade com o Regime Jurídico da Formação Contínua, o n.º 2 do Artigo 46.º do ECD, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 15/2007, de 19 de janeiro e a Carta Circular CCPFC a Carta Circular CCPFC – 3 – 2007 – 6 setembro. A avaliação dos formandos terá incidência em: Critérios/Parâmetros: Participação/contributos: Participação nas sessões (dinâmica da participação e qualidade das intervenções) e partilhas sobre o trabalho autónomo desenvolvido (30%). Trabalho final (em equipa): Conceção, desenvolvimento e avaliação de um episódio de aula (qualidade dos materiais produzidos), tendo como referência as estratégias e os conteúdos abordados na oficina (50%). Produção de uma reflexão final, a título individual (20%). A avaliação final, que terá em conta os referidos parâmetros/critérios de classificação, será traduzida numa classificação expressa na escala de 1 a 10 valores: insuficiente (1 a 4,9 valores), regular (5 a 6,4 valores), bom (6,5 a 7,9 valores), muito bom (8 a 8,9 valores) e excelente (9 a 10 valores).

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Almeida, M. de F. (2020). Sinais de alerta da dislexia: perceção de alunos com dislexia. Gestão e Desenvolvimento, (28), 197-228. https://doi.org/10.34632/gestaoedesenvolvimento.2020.9471American Psychiatric Association. (2014). Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais: DSM-5. Lisboa: Climepsi Editores.Moura, O., Pereira, M., & Simões, M. (2018). Dislexia - Teoria, Avaliação e Intervenção. Lisboa: Pactor Editora.Rello, L. (2018). Superar la Dislexia: Una experiencia personal a través de la investigación. Barcelona: Editorial Planeta.Shaywitz, S., & Shaywitz, J. (2020). Overcoming Dyslexia. Second Edition: Completely Revised And Updated. New York: Random House USA Inc.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 16-01-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 30-01-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 13-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 27-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 13-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 27-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 24-04-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 08-05-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Presencial

Ref. 1033.2 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117344/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 16-01-2023

Fim: 17-04-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Vítor Manuel Noruegas Dias da Rocha

Mário Miguel Pereira Guedes

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente..

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

Sessões presenciais / online síncronas: As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o \x93Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education - guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENEU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-toolLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31.07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 16-01-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 23-01-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 30-01-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 06-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
5 13-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
6 27-02-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 13-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 17-04-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 1022.12 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117442/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 16-01-2023

Fim: 26-04-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Mário Miguel Pereira Guedes

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. -Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digita - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas presenciais / online síncronas e 25 horas de trabalho autónomo. As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdfMinistério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 16-01-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 24-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 31-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 07-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
5 28-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 14-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 20-03-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
8 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 1124.1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116039/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 12-01-2023

Fim: 09-03-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Júlio Dantas - Lagos

Formador

Violante Maria Mira Ferreira Romão

Anabela Silva Veloso da Veiga Gloria

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Projeto Educação Inclusiva 21-23 e Plano 21|23 Escola+.

Razões

Inclusão, equidade, cooperação, solidariedade, responsabilidade e interligação, são conceitos-chave que enformam as políticas e as práticas educativas. Assegurar o direito de todos à educação é garantir acesso, presença, participação e sucesso em processos educativos de qualidade. Os atores educativos, nomeadamente lideranças de topo e intermédias, são figuras essenciais na educação e na transformação social. Acolher e apoiar todos os alunos, independentemente das suas capacidades e exigências, são dois compromissos éticos e profissionais indiscutíveis. Uma escola inclusiva exige uma liderança eficaz, capaz de apoiar e promover o envolvimento de toda a comunidade escolar. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

- Identificar práticas de gestão e organização pedagógica, de topo e intermédias, à luz dos normativos/documentos de referência sobre políticas de inclusão; - Explorar fatores que se constituem como obstáculo à inclusão na escola e sociedade; - Consolidar uma perspetiva de abordagem integrada de práticas que concorrem para a inclusão; - Refletir sobre a relevância das aprendizagens informais, os meios de as incorporar na promoção de ambientes educativos favoráveis à participação de alunos na condução do processo educativo; - Promover estratégias de otimização da participação dos alunos na vida da escola; - Elencar mecanismos de promoção do envolvimento das famílias na criação de ambientes inclusivos; - Refletir sobre o papel das lideranças na criação de ambientes promotores de aprendizagens não-formais e informais consistentes com os objetivos da educação inclusiva; - Equacionar os termos da cooperação interinstitucional em ordem à inclusão; - Refletir sobre instrumentos de monitorização das práticas de inclusão.

Conteúdos

1. Enquadramento teórico e normativo. 1.1. Quadro conceptual. - Os direitos humanos e as políticas de inclusão. - Justiça distributiva e éticas do cuidado. - Tradução dos princípios de justiça em direitos e capacidades. - O projeto Strength Through Diversity e a diversidade dos públicos na educação escolar: dimensões da diversidade; abordagens multinível da diversidade em educação. 1.2. Quadro normativo de referência. - Os Decretos-Leis nº 54/2018 de 6 de julho (na sua redação atual) e n.º 55/2018, de 6 de julho (e respetivas Portarias). - O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. - Autonomia e responsabilidade dos decisores locais: interpretação dos normativos; as margens de autonomia potenciada pela portaria n.º 181/2019, de 11 de junho, na sua redação atual. - Documentos curriculares e instrumentos de autonomia dos AE/ENA. 1.3. Dimensões organizacionais das políticas de inclusão: exercício exploratório [trabalho com os formandos, orientado pela abordagem prévia dos pontos 1.1. e 1.2. 2. Concretização das políticas de inclusão. 2.1 As escolas e as práticas. - A inclusão em contexto: modelos educativos e conceções de cidadania e equidade. 2.2. Os agentes sociais das práticas de inclusão. - Pessoas, instituições, ambientes de aprendizagem. - Cooperação interinstitucional em ordem à inclusão. 2.3. Os recursos para a inclusão. - A identificação e gestão dos recursos (humanos, materiais, institucionais) e a sua potencialização na promoção da escola inclusiva. 2.4. Contextos de interação socioeducativa na perspetiva da inclusão: a sala de aula e o resto; exercício exploratório [trabalho com os formandos, orientado pela abordagem prévia dos pontos 2.1., 2.2. e 2.3. 3. Conhecer, partilhar, decidir. 3.1. Conhecer e cooperar com as pessoas e as instituições. 3.2. Conhecer, estimular e proteger as crianças e jovens: princípios, métodos, instrumentos. 3.3. Conhecer para transformar: dos instrumentos de suporte à monitorização às modalidades de participação de professores, pais e alunos nos processos de decisão: exercício exploratório [trabalho com os formandos, orientado pela abordagem prévia dos pontos 3.1. e 3.2. 4. Avaliação - Apresentação e discussão dos trabalhos/produtos finais dos formandos

Metodologias

Exploração dos temas propostos, com adequado suporte teórico. Reflexão, análise e discussão em grupo, com recurso a fontes documentais pertinentes. Debate em plenário. Elaboração individual de trabalho/produto final da ação, em função dos interesses dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Cerna, L. et al. (2021) Promoting inclusive education for diverse societies: A conceptual framework. Disponível em: Promoting inclusive education for diverse societies : A conceptual framework | OECD Education Working Papers | OECD iLibrary (oecd-ilibrary.org)Eurydice (2020). A equidade na educação escolar na Europa (trad. Lisboa: DGEEC/Unidade portuguesa de Eurydice). Disponível em: https://op.europa.eu/en/publication-detail/-/publication/517ee2ef-4404-11eb-b59f-01aa75ed71a1/language-ptEuropean Agency for Special Needs and Inclusive Education (2021). Inclusive School Leadership: A Tool for Self-Reflection on Policy and Practice. (M. Turner-Cmuchal, E. Óskarsdóttir and M. Bilgeri, eds.). Odense, Denmark. Disponível em: https://www.european-agency.org/sites/default/files/SISL_Self-Reflection_Tool.pdfPereira, F. (Coord.). (2018). Para uma Educação Inclusiva. Manual de Apoio à Prática. Lisboa. Ministério da Educação. Direção-Geral da Educação. Disponível em: https://dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdfUNESCO (2022). Reaching out to all learners: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO, IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education


Observações

Destinatários: Elementos das direções dos AE; Elementos do Conselho Pedagógico; Coordenadores de diretores de turma; Diretores de Turma; Representantes de Grupos Disciplinares; Elementos da Equipa Multidisciplinar da Educação Inclusiva.

Docentes detentores de cargos de gestão.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-01-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 19-01-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 26-01-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 02-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 09-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 16-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 23-02-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 09-03-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 1063.1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115656/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 27-09-2022

Fim: 21-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Nélia Maria Pontes Amado

Destinatários

Professores do grupo de recrutamento 500

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 500. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 500.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio, Direção Geral de Educação - "Recuperar com Matemática" e Univerdidade do Algarve.

Razões

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: - 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; - 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; - 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 500, para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática do Ensino Básico procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico (AE, 2021), destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar dotados com o conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; - Realizar práticas de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e capazes de resolução para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 3.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática; Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática; Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemátic. Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulos. Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada) - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover; Análise de produções de aluno; Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor; Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades. Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos, e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada): Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas); Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo); Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

Presencial: A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada decorridos cerca de 2/3 da formação, a fim de permitir tempo para uma intervenção na prática letiva. Sessões presenciais (momentos em pequenos grupos e em grande grupo): análise e discussão das AE, de textos teóricos que as suportam,resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas a propor aos alunos, a análise de produções de alunos e de episódios de sala de aula, e o seu enquadramento curricular no âmbito das novas AE de Matemática. Trabalho autónomo: Trabalho autónomo (individual ou em pequenos grupos): leitura das AE e de textos disponibilizados, na planificação,concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual crítico-reflexivo.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Educação e Matemática, 158 (Temático sobre avaliação)Educação e Matemática, 162 (Temático sobre pensamento computacional)NCTM (2017). Princípios para a ação. Lisboa: APM.Ponte, J. P., Quaresma, M., & Mata Pereira, J. (2020). Como desenvolver o raciocínio matemático na sala de aula? Educação e Matemática, 156, 7-11.Veloso, E. (2012). Simetria e transformações geométricas. Lisboa: APM.

Anexo(s)

ac3_ccpfc_acreditada_-aprendizagens-essenciais-de-matematica-para-os-7-8-e-9-anos-de-escolaridade.pdf


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 27-09-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
2 11-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
3 08-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
4 22-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
5 06-12-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
6 10-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
7 24-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
8 07-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
9 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
10 09-03-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial

Ref. 1041.1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115652/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 20-09-2022

Fim: 28-02-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Júlio Dantas - Lagos

Formador

Soraia Alexandra Caracol de Pinho

Destinatários

Professores do grupo de recrutamento 110

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 110. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 110.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio

Razões

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo:\r\na) 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 110 para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática no Ensino Básico, procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico (AE, 2021), destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar dotados do conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; - Realizar práticas de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e capazes de resolução para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 1.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática; - Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática; - Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemátic; - Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulo; - Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada): - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover; - Análise de produções de alunos; - Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor; - Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades; - Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos, e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada): - Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas); - Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo); - Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

Presencial: A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada decorridos cerca de 2/3 da formação, a fim de permitir tempo para uma intervenção na prática letiva. Sessões presenciais (momentos em pequenos grupos e em grande grupo): análise e discussão das AE, de textos teóricos que as suportam,resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas a propor aos alunos, a análise de produções de alunos e de episódios de sala de aula, e o seu enquadramento curricular no âmbito das novas AE de Matemática. Trabalho autónomo: Trabalho autónomo (individual ou em pequenos grupos): leitura das AE e de textos disponibilizados, na planificação,concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual crítico-reflexivo.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Canavarro, A. P. (2009). O pensamento algébrico na aprendizagem da Matemática dos primeiros anos. Quadrante, 16(2), 81-118.Canavarro, A. P., Oliveira, H., & Menezes, L. (2012). Práticas de ensino exploratório da matemática: O caso de Célia. In A. P. Canavarro, L. Santos, A. Boavida, H. Oliveira, L. Menezes, & S. Carreira (Eds.), Investigação em Educação Matemática – Práticas de ensino da Matemática, Livro de Atas do Encontro de Investigação em Educação Matemática EIEM2012 (pp. 255-266). Castelo de Vide: SPIEM.NCTM (2017). Princípios para a Ação. Lisboa: APM.Educação e Matemática, 2022, nº 162 (número temático sobre pensamento computacional)Henriques, A., & Oliveira, H. (2012). Investigações estatísticas. Um caminho a seguir? Educação e Matemática, 120, 3-8.

Anexo(s)

ac1_ccpfc_acreditada_aprendizagens-essenciais-de-matematica-para-o-1-ciclo-do-ensino-basico.pdf


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 20-09-2022 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
2 04-10-2022 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
3 18-10-2022 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
4 31-10-2022 (Segunda-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
5 15-11-2022 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
6 29-11-2022 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
7 13-12-2022 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
8 17-01-2023 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
9 13-02-2023 (Segunda-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial
10 14-02-2023 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Presencial

Ref. 1052.1 A decorrer

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115660/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 20-09-2022

Fim: 02-03-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Júlio Dantas - Lagos

Formador

Mónica Isabel da Cruz Leite Matos

Destinatários

Professores do grupo de recrutamento 230

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 230. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo de recrutamento 230.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e Direção Geral de Educação - "Recuperar com Matemática"

Razões

No âmbito do projeto Contexto e Visão para a revisão curricular das Aprendizagens Essenciais em Matemática, em agosto de 2021 foram homologadas as novas Aprendizagens Essenciais de Matemática para o Ensino Básico (Despacho n.º 8209/2021, de 19 de agosto) que entrarão em vigor a partir do ano letivo: 2022/2023, no que respeita aos 1.º, 3.º, 5.º e 7.º anos de escolaridade; 2023/2024, no que respeita aos 2.º, 4.º, 6.º e 8.º anos de escolaridade; 2024/2025, no que respeita ao 9.º ano de escolaridade. Tendo consciência da necessidade de formação dos professores do grupo 230 para a operacionalização destes novos documentos curriculares em Matemática do Ensino Básico procurar-se-á desenvolver uma formação focada em aspetos específicos das novas AE de Matemática para o Ensino Básico, destacando o que de mais significativo e novo existe nestes documentos curriculares.

Objetivos

No final da formação, os professores participantes devem ser capazes de: - Compreender, de forma aprofundada, as orientações curriculares expressas nas novas AE de Matemática para o Ensino Básico, o seu racional e as consequências para o ensino da Matemática; - Estar capacitados com o conhecimento didático e o conhecimento matemático requeridos para o ensino orientado pelas novas AE de Matemática para o Ensino Básico; - Realizar experiências de ensino de Matemática que contemplem a planificação de aulas, a sua concretização e consequente reflexão, em contextos de trabalho colaborativo, tornando-se sensíveis e alertados para os problemas que possam surgir na prática de ensino das novas AE de Matemática para o 2.º ciclo do Ensino Básico.

Conteúdos

Orientações curriculares para o ensino da Matemática no Ensino Básico expressas nas novas AE 2021 (2 sessões de 2,5h cada): - Caracterização das novas AE de Matemática; - Articulação entre os temas nas novas AE de Matemática; - Reflexos dos princípios nas opções curriculares das novas AE de Matemátic. Serão propostas tarefas que permitirão trabalhar as novas AE segundo diversos ângulos. Articulação entre diferentes temas matemáticos e capacidades matemáticas transversais, incorporando as capacidades e atitudes gerais transversais (5 sessões de 2,5h cada): - Conteúdos de aprendizagem (conhecimentos, capacidades matemáticas, capacidades e atitudes gerais) que uma dada tarefa preferencialmente pode promover; - Análise de produções de alunos; - Feedback oral e escrito a fornecer pelo professor; - Recursos, em particular tecnológicos, e suas potencialidades. Serão propostas tarefas de formação constituídas por tarefas a propor aos alunos e um conjunto de questões que incidem sobre o ensino da Matemática, a partir das características da tarefa dos alunos, de produções de alunos, de episódios de sala de aula, de notas de campo de aulas realizadas no âmbito da operacionalização destas novas AE. Práticas de ensino promotoras do desenvolvimento integrado de temas matemáticos, capacidades matemáticas transversais e capacidades e atitudes gerais transversais (3 sessões de 2,5h cada: - Planificação (objetivos de aprendizagem, tarefas, formas de as explorar e recursos, em particular ferramentas tecnológicas); - Operacionalização (dinâmica da aula; papel do professor e dos alunos, discussão em grande grupo); - Reflexão (aprendizagens realizadas, dificuldades reveladas pelos alunos e ações do professor, identificação de aspetos a melhorar, causas e aperfeiçoamentos para futuro). A primeira sessão será dedicada ao início da planificação da aula a lecionar, e as duas restantes decorrerão após o término do trabalho autónomo e destinar-se-ão à apresentação e reflexão da intervenção na prática letiva. Para o trabalho autónomo propor-se-á a leitura de textos que sustentem teoricamente algumas ideias chave das orientações curriculares consideradas nos documentos curriculares, assim como a leitura de textos de apoio sobre os temas trabalhados. Prevê-se ainda que o trabalho autónomo incida na conclusão da planificação, na realização da aula e na preparação da apresentação aos restantes formandos desta intervenção na prática letiva.

Metodologias

Presencial: A periodicidade deverá ser variável: começando de forma mais concentrada, passando a ser mais espaçada decorridos cerca de 2/3 da formação, a fim de permitir tempo para uma intervenção na prática letiva. Sessões presenciais (momentos em pequenos grupos e em grande grupo): análise e discussão das AE, de textos teóricos que as suportam,resolução e discussão de tarefas de formação e planificação e reflexão de uma intervenção na prática. As tarefas de formação a propor nessas sessões poderão incluir a resolução de tarefas a propor aos alunos, a análise de produções de alunos e de episódios de sala de aula, e o seu enquadramento curricular no âmbito das novas AE de Matemática. Trabalho autónomo: Trabalho autónomo (individual ou em pequenos grupos): leitura das AE e de textos disponibilizados, na planificação,concretização e reflexão da intervenção na prática, preparação da apresentação, em pequenos grupos, dessa intervenção e elaboração de um trabalho final individual crítico-reflexivo.

Avaliação

A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a realização e discussão das tarefas propostas nas sessões presenciais, a planificação de tarefas para os alunos e análise da sua realização na sala de aula, e o trabalho final elaborado pelos formandos. O trabalho final deverá ser uma reflexão escrita individual sobre a formação, as aprendizagens realizadas e capacidades desenvolvidas, e a sua participação na formação.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Educação e Matemática, 158Educação e Matemática, 162NCTM (2017). Princípios para a ação. Lisboa: APM.Ponte, J. P., Quaresma, M., & Mata Pereira, J. (2020). Como desenvolver o raciocínio matemático na sala de aula? Educação e Matemática, 156, 7-11.Veloso, E. (2012). Simetria e transformações geométricas. Lisboa: APM.

Anexo(s)

ac2_ccpfc_acreditada_aprendizagens-essenciais-de-matematica-para-o-2-ciclo-do-ensino-basico.pdf


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 20-09-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
2 04-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
3 18-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
4 02-11-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
5 15-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
6 29-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
7 03-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
8 17-01-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
9 01-03-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial
10 02-03-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Presencial

Ref. 1371 Em avaliação

Registo de acreditação: ACD10

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 28-01-2023

Fim: 28-01-2023

Regime: Presencial

Local: Biblioteca Municipal de Lagos - Júlio Dantas

Formador

Paula Maria Osório de Araújo Correia

Paula Cristina Pereira Jacinto Cusati

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Biblioteca Municipal de Lagos – Júlio Dantas / CML em parceria com o Centro de Formação Dr. Rui Grácio.

Razões

Esta ação de formação é da iniciativa da Biblioteca Municipal de Lagos – Júlio Dantas / Câmara Municipal de Lagos, em parceria com o Centro de Formação Dr. Rui Grácio. Os últimos três anos letivos apresentaram desafios particularmente complexos no que concerne ao ensino / aprendizagem da literacia da leitura, quer pela omnipresença do digital, quer pela necessária recuperação das aprendizagens, ou pelo surgimento de inúmeros casos de desmotivação e perturbações comportamentais, notando-se ainda o agravamento das desigualdades. Para dar resposta a estes problemas, é importante dotar os docentes de um conhecimento profundo e vasto da literatura para a infância e juventude, bem como de metodologias e recursos eficazes para a formação de leitores reflexivos, críticos e competentes, isto é, de cidadãos informados e participativos. Frequentemente, a leitura literária ainda é proposta, por um lado, na escola, sob a forma de fichas de avaliação da compreensão leitora após a leitura de excertos das obras ou “apresentações” de livros por parte dos alunos com recurso a powerpoints, por outro, nas bibliotecas, procede-se à “animação” da leitura, através de dramatizações ou de horas do conto seguidas de atividades de expressão plástica, sem que estas práticas contribuam efetivamente para a maturação dos alunos / leitores. Mais do que nunca, é urgente conjugar o verbo ler na primeira pessoa. Primeiro, no plural, para que um “nós”, um grupo de alunos com o(s) seu(s) docente(s), possa aprender a ler de verdade, de forma continuada e apaixonada, e a coconstruir sentido; depois, para que se possa também ter o desejo e a confiança suficiente para o conjugar no singular, num “eu” que descobre e explora, num questionamento e deslumbramento permanente, os livros da sua vida. Na ação de formação A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARTILHADA, aprofundaremos os conhecimentos acerca da leitura partilhada como prática indispensável da mediação leitora, passível de ser aplicada em todos os níveis de ensino e com todas as idades (dos bebés aos seniores), com resultados provados por vários estudos, mesmo nos contextos mais desfavoráveis. Por ser também fundamental saber analisar e selecionar o acervo mais adequado, já nem todos os livros se prestam a esta prática dialógica, iremos ler e refletir com a ajuda de muitos livros para a infância e juventude de diferentes tipologias.

Objetivos

- Refletir acerca dos conceitos de promoção / animação / mediação da leitura e da nossa atuação concreta; - Aprofundar o conhecimento acerca da leitura partilhada e da sua importância para a formação de leitores; - Discutir a importância do livro enquanto espaço para contemplar, conhecer, perguntar, experimentar e crescer; - Promover a escolha atenta e conhecedora dos acervos mais adequados para esta prática de mediação leitora; - Pensar em formas concretas de introdução e manutenção desta prática em diferentes contextos profissionais, com variados públicos.

Conteúdos

1. Conceitos de Animação, Promoção e Mediação 2. A leitura partilhada: definição e prática 3. Os benefícios da leitura partilhada 4. A criação de vínculos: entre leitores e livros 5. A leitura em voz alta 6. A importância da escuta 7. O diálogo 8. Ler nas entrelinhas 9. Literatura para a infância e juventude: quais os melhores livros para a leitura partilhada? 10. Seleção de acervos: exercícios práticos

Metodologias

A sessão terá um carácter teórico-prático, pois pretende-se não só aprofundar conhecimentos específicos, mas também que os formandos relacionem esses conhecimentos com as suas práticas pedagógicas e contextos específicos. Componente teórica com base em estratégias expositivas e análise de documentos para a sustentação tórica e debate em grande grupo, bem como de apresentação de casos de estudo reais e recursos concretos. Componente prática com base em metodologias interrogativas e de trabalho cooperativo (a par e em grupo), de forma a permitir a troca e confronto de ideias e experiências e soluções, face aos conhecimentos e competências que irão sendo adquiridos.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).

Bibliografia

-


Observações

FORMADORAS: PAULA CUSATI Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas (Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa); Especialização em Ensino das Línguas Estrangeiras (Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa); Pós-Graduação em Livro Infantil (FCSH da Universidade Católica); Parte curricular do Mestrado em Promoção da Leitura e Literatura Infantil (Universidade de Castilla-La Mancha, Espanha). PAULA CORREIA Licenciada em Filosofia; Pós-graduação em Ciências Documentais, Ramo de Biblioteca e Documentação; Mestre em Ciências Documentais, Ramo de Biblioteca e Documentação; Formadora acreditada pelo CCPFC na área de Filosofia, Bibliotecas Escolares e outros domínios; Coordenadora interconcelhia da RBE - Rede de Bibliotecas Escolares.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-01-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 28-01-2023 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial

Ref. 1351 Em avaliação

Registo de acreditação: ACD8

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 23-11-2022

Fim: 23-11-2022

Regime: Presencial

Local: Hotel Vila Galé - Lagos

Formador

Rui Carvalho

Destinatários

Professores de todos os grupos de docência em exercício de funções no Projeto CFDDE e Coordenação Nacional do Desporto Escolar.

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e Direção Geral de Educação - Desporto Escolar

Razões

Esta ação de formação surge após a necessidade diagnosticada de criar momentos de formação para os Professores que integram o Projeto Centros de Formação Desportiva do Desporto Escolar nos seus diversos patamares de intervenção – Coordenação do Projeto no seu AE/ENA, Professores Dinamizadores nas diversas dimensões de ação dos quatro eixos de Intervenção do Projeto CFDDE, dando cumprimento aos compromissos bem como aos objetivos operacionais e estratégicos do PEDE 21-25.

Objetivos

- Desenvolver competências no âmbito de gestão e organização de CFDDE; - Analisar e refletir sobre o impacto de 10 anos da implantação do Projeto CFDDE; - Transmissão de boas-práticas no âmbito do acompanhamento ao Projeto CFDDE; - Criação de compromissos comuns para a uniformização de procedimentos.

Conteúdos

Apresentação e Discussão do Regulamento de Funcionamento dos CFDDE: - CFDDE como polo de desenvolvimento desportivo dinamizados nas AE/ENA; - Linhas orientadoras para as parcerias com Autarquias, parceiros locais e Federações - Atividades dos CFDDE no âmbito da Articulação Curricular, Ambiente, Sustentabilidade, Saúde e Bem-estar. Uniformização de modelos de procedimentos: Segurança, especificidade técnica de cada modalidade, Dossier Informático e Monitorização, Comunicação e Imagem. Enquadramento do Acompanhamento ao Projeto CFDDE – Visitas Técnicas de Acompanhamento. Análise SWOT em cada AE/ENA, partilha de conclusões e compromisso com os Regulamentos de Funcionamento do Projeto CFDDE.

Metodologias

Componente teórica com base na seguinte estratégia: Método expositivo e método demonstrativo, bem como espaço para discussão orientada entre Formador e Formandos encorajando uma aprendizagem ativa e participada permitindo uma partilha de experiências numa perspetiva local, regional e nacional. Componente prática com base na seguinte metodologia: Aprendizagem colaborativa através da aplicação de uma análise SWOT em cada AE/ENA, partilha de conclusões e compromisso com o Regulamentos de Funcionamento do Projeto CFDDE. Reuniões técnicas por modalidade desportiva.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).

Bibliografia

-


Observações

Formador: Rui Miguel da Conceição Carvalho LICENCIATURA EM: Educação Física e Desporto MESTRADO EM: Gestão da Formação Desportiva

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 23-11-2022 (Quarta-feira) 10:30 - 13:00 2:30 Presencial
2 23-11-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 18:00 3:30 Presencial

Ref. 90T1 Em avaliação

Registo de acreditação: ACD1

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 08-06-2022

Fim: 29-09-2022

Regime: e-learning

Local: Plataforma Zoom de Enigmas à Solta

Formador

Vitor Filipe Neto Guerreiro

Mafalda Cristina Gomes Sousa Guerreiro

Destinatários

Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e ENIGMASÀSOLTA-LDA

Razões

xxxxxxxxx

Objetivos

xxxxxxxxxx

Conteúdos

xxxxxxxxxx

Metodologias

xxxxxxxxxx

Avaliação

xxxxxxxxxx

Modelo

xxxxxxxxxx

Bibliografia

xxxxxxxxxx

Anexo(s)


Observações

observações ação xxxxxxxxxx

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 08-06-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 17:00 2:00 Online síncrona
2 22-06-2022 (Quarta-feira) 15:00 - 17:00 2:00 Online síncrona
3 29-09-2022 (Quinta-feira) 15:00 - 17:00 2:00 Online síncrona

Ref. 1381 Concluída

Registo de acreditação: ACD11

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 18-01-2023

Fim: 18-01-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Básica Tecnopolis (AE Júlio Dantas) - Lagos

Formador

Nuno Miguel Costa Barros

Cláudia Isabel Guerreiro Carmo

Marta Sofia Ventosa Brás

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio, ARS Algarve (Centro de Saúde de Lagos - UCC Infante) e Universidade do Algarve

Razões

Esta ação de formação de curta duração resulta de uma parceria estabelecida entre a ARS Algarve (Centro de Saúde de Lagos), a Universidade do Algarve e o Centro de Formação Dr. Rui Grácio. A promoção da saúde mental e a prevenção dos comportamentos suicidários é sublinhada nas principais estratégias e planos de ação de saúde mental, tanto a nível internacional como em Portugal (DGS, 2013, 2015). O contexto escolar assume-se como um contexto privilegiado para a implementação de ações e programas de promoção da saúde mental e de prevenção dos comportamentos suicidários, envolvendo toda a comunidade educativa (Brás, 2013; Granello & Granello, 2007; Katz et. al, 2013; Santos et al., 2021). Paralelamente, é reconhecido que a ideação suicida e os comportamentos suicidários são comuns em idade escolar e associam-se com frequência a perturbações psicológicas passíveis de serem identificadas nas escolas por qualquer elemento da comunidade educativa, e em particular pelos professores (Granello & Granello, 2007; Miller, 2011; Shaffer & Kipp, 2014). Neste sentido, as diretrizes internacionais e nacionais defendem a implementação de programas que contemplem ações formativas que visem o combate ao estigma acerca da doença mental e comportamentos suicidários, aumentar o conhecimento sobre fatores de risco e sinais de alarme associados ao suicídio, permitindo a identificação precoce de adolescentes em risco e a referenciação para a ajuda especializada (Brás & Santos, 2014; Pompili et al., 2011).

Objetivos

• Combater o estigma em saúde mental; • Esclarecer sobre os comportamentos suicidários na adolescência; • Contribuir para a identificação precoce de adolescentes em risco e sua referenciação para os cuidados de saúde; • Refletir sobre o papel da escola na promoção da saúde mental e prevenção dos comportamentos suicidários; • Apresentar o Programa Mais Contigo: aspetos metodológicos.

Conteúdos

• Adolescência • Depressão e Comportamentos suicidários na adolescência • O papel da escola na promoção da saúde mental e prevenção dos comportamentos suicidários • Programa Mais Contigo

Metodologias

Metodologia expositiva e ativa, através das técnicas pedagógicas de brainstorming, discussão em grupo, entre outras.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).

Bibliografia

Brás, M. (2013). Condutas suicidas: vulnerabilidade e prevenção em adolescentes (Tese de Doutouramento). Universidade do Algarve. Brás, M., & Santos, J. C. (2014). Prevenção do suicídio em meio escolar. In Suicídio e comportamentos autolesivos (pp. 485–492). Lidel. DGS. (2013). Plano Nacional de Prevenção do Suicídio 2013/2017. In Suicídio e Comportamentos Autolesivos: dos conceitos à prática clínica. DGS. (2015). Programa Nacional de Saúde Escolar. Granello, D., & Granello, P. (2007). Suicide: An Essential Guide for Helping Professionals and Educators. Pearson/Allyn & Bacon. Katz, C., Bolton, S., Katz, L., Isaak, C., TilstonJones, T., & Sareen, J. (2013). A systematic review of schoolbased suicide prevention programs. Depression and Anxiety, 30(10). Miller, D. (2011). Child and adolescent suicidal behaviopur: School-based prevention, assessment and intervention. Guilford Press. Pompili, M., Innamorati, M., Girardi, P., Tatarelli, R., & Lester, D. (2011). Evidence-based interventions for preventing suicide in youths. In Evidence-based practice in suicidology: A source book (pp. 171–209). Hogrefe Publishing. Santos, J. C., Erse, M. P., Simões, R. P., Façanha, J., Marques, L., Matos, M., Loureiro, C., & Quaresma, M. H. (2021). Mais Contigo: promoção da saúde mental e prevenção de comportamentos suicidários na comunidade educativa. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Shaffer, D., & Kipp, K. (2021). Developmental psychology: Childhood ad adolescence.


Observações

Formadores: - Nuno Miguel Costa Barros, Enfermeiro com ESPECIALIZAÇÃO em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica e Enfermagem Médico-cirúrgica e MESTRADO em Enfermagem; - Marta Sofia Ventosa Brás, docente da UALG, com DOUTORAMENTO em Psicologia; - Cláudia Isabel Guerreiro Carmo, docente da UALG, com DOUTORAMENTO em Psicologia.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-01-2023 (Quarta-feira) 15:30 - 18:30 3:00 Presencial

Ref. 1391 Concluída

Registo de acreditação: ACD12

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 18-01-2023

Fim: 18-01-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Básica Tecnopolis (AE Júlio Dantas) - Lagos

Formador

Nuno Miguel Costa Barros

Cláudia Isabel Guerreiro Carmo

Marta Sofia Ventosa Brás

Destinatários

Pessoal não docente;

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio, Centro de Saúde de Lagos - UCC Infante / ARS Algarve e Universidade do Algarve

Razões

A promoção da saúde mental e a prevenção dos comportamentos suicidários é sublinhada nas principais estratégias e planos de ação de saúde mental, tanto a nível internacional como em Portugal (DGS, 2013, 2015). O contexto escolar assume-se como um contexto privilegiado para a implementação de ações e programas de promoção da saúde mental e de prevenção dos comportamentos suicidários, envolvendo toda a comunidade educativa (Brás, 2013; Granello & Granello, 2007; Katz et al., 2013; Santos et al., 2021). Paralelamente, é reconhecido que a ideação suicida e os comportamentos suicidários são comuns em idade escolar e associam-se com frequência a perturbações psicológicas passíveis de serem identificadas nas escolas por qualquer elemento da comunidade educativa, e em particular pelos professores (Granello & Granello, 2007; Miller, 2011; Shaffer & Kipp, 2021). Neste sentido, as diretrizes internacionais e nacionais defendem a implementação de programas que contemplem ações formativas que visem o combate ao estigma acerca da doença mental e comportamentos suicidários, aumentar o conhecimento sobre fatores de risco e sinais de alarme associados ao suicídio, permitindo a identificação precoce de adolescentes em risco e a referenciação para a ajuda especializada (Brás & Santos, 2014; Pompili et al., 2011).

Objetivos

• Combater o estigma em saúde mental; • Esclarecer sobre os comportamentos suicidários na adolescência; • Contribuir para a identificação precoce de adolescentes em risco e sua referenciação para os cuidados de saúde; • Refletir sobre o papel da escola na promoção da saúde mental e prevenção dos comportamentos suicidários; • Apresentar o Programa Mais Contigo: aspetos metodológicos.

Conteúdos

• Adolescência • Depressão e Comportamentos suicidários na adolescência • Programa Mais Contigo

Metodologias

Metodologia expositiva e ativa, através das técnicas pedagógicas de brainstorming, discussão em grupo, entre outras.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).

Bibliografia

Brás, M. (2013). Condutas suicidas: vulnerabilidade e prevenção em adolescentes (Tese de Doutouramento). Universidade do Algarve. Brás, M., & Santos, J. C. (2014). Prevenção do suicídio em meio escolar. In Suicídio e comportamentos autolesivos (pp. 485–492). Lidel. DGS. (2013). Plano Nacional de Prevenção do Suicídio 2013/2017. In Suicídio e Comportamentos Autolesivos: dos conceitos à prática clínica. DGS. (2015). Programa Nacional de Saúde Escolar. Granello, D., & Granello, P. (2007). Suicide: An Essential Guide for Helping Professionals and Educators. Pearson/Allyn & Bacon. Katz, C., Bolton, S., Katz, L., Isaak, C., TilstonJones, T., & Sareen, J. (2013). A systematic review of schoolbased suicide prevention programs. Depression and Anxiety, 30(10). Miller, D. (2011). Child and adolescent suicidal behaviopur: School-based prevention, assessment and intervention. Guilford Press. Pompili, M., Innamorati, M., Girardi, P., Tatarelli, R., & Lester, D. (2011). Evidence-based interventions for preventing suicide in youths. In Evidence-based practice in suicidology: A source book (pp. 171–209). Hogrefe Publishing. Santos, J. C., Erse, M. P., Simões, R. P., Façanha, J., Marques, L., Matos, M., Loureiro, C., & Quaresma, M. H. (2021). Mais Contigo: promoção da saúde mental e prevenção de comportamentos suicidários na comunidade educativa. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Shaffer, D., & Kipp, K. (2021). Developmental psychology: Childhood ad adolescence.


Observações

FORMADORES: - Nuno Miguel Costa Barros, Enfermeiro com ESPECIALIZAÇÃO em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica e Enfermagem Médico-cirúrgica e MESTRADO em Enfermagem; - Marta Sofia Ventosa Brás, docente da UALG, com DOUTORAMENTO em Psicologia; - Cláudia Isabel Guerreiro Carmo, docente da UALG, com DOUTORAMENTO em Psicologia.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-01-2023 (Quarta-feira) 15:30 - 18:30 3:00 Presencial

Ref. 1401 Concluída

Registo de acreditação: ACD13

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 12-01-2023

Fim: 12-01-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Básica de S. Vicente / Agrup. Escolas Vila do Bispo

Formador

Nadia Diogo Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e Agrupamento de Escolas de Vila do Bispo

Razões

Se não podemos negar que hoje as políticas educativas se orientam pelos princípios da inclusão e da equidade, também é verdade que “a ‘refundação da Escola’ tem muitos caminhos e, como tal, é preciso que os professores sejam capazes de refletir sobre a sua profissão” (Nóvoa, 1999, p. 14). A formação e capacitação dos professores surgem assim como momentos privilegiados para a reflexão crítica sobre as experiências que se desenvolvem em sala de aula, onde se procura contextualizar as ações pedagógicas à luz da sua intencionalidade e pertinência. No âmbito do Decreto-Lei n.º 55/2018 e do Decreto-Lei n.º 54/2018, de 6 de julho, foi dada mais autonomia às Escolas para um desenvolvimento curricular adequado a contextos específicos e às necessidades de todos e de cada um dos seus alunos, num quadro de uma escola inclusiva. A mobilização de experiências e a consequente partilha de conhecimento em sede das equipas de docentes é promotora da articulação curricular, mas também da adoção de metodologias onde o aluno é coautor na construção do currículo e na mudança das práticas de avaliação.

Objetivos

• Contribuir para criar dinâmicas de trabalho colaborativo num agrupamento de escolas nomeadamente no seio das equipas educativas de modo a diversificar experiências de aprendizagem. • Refletir sobre práticas pedagógicas de modo a conceber, concretizar (em espaços de aprendizagem, nomeadamente na sala de aula), avaliar e reformular projetos de natureza disciplinar, multidisciplinar, interdisciplinar e transdisciplinar, tendo em conta a diversidade dos alunos e seus contextos, as áreas do saber e os recursos existentes, considerando e integrando diversas práticas, atividades e tarefas.

Conteúdos

- Questões em torno das práticas pedagógicas e Paradigmas pedagógicos Diferenciação Pedagógica – Como chegar à personalização da resposta educativa? - Metodologias, métodos e estratégias de ensino: Tarefas, estratégias e recursos

Metodologias

Discussão conjunta de práticas para exploração dos conteúdos teórico-práticos

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).

Bibliografia

Cosme, A., Trindade, R., & Groppa, A. J. (2020). Epistemologia, ensino e inovação. Educação, Sociedade & Culturas, 55, 7-11. Cosme, A.; Ferreira, D.; Lima, L. & Ferreira, N. (2021) Metodologias, Métodos e Situações de Aprendizagem: Propostas e Estratégias de Ação. Porto Editora: Porto Nóvoa, A. (1999). Os professores na virada do milênio: Do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Educação e Pesquisa, 11-20.


Observações

,

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-01-2023 (Quinta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

Ref. 1362 Concluída

Registo de acreditação: ACD9

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 4.0 horas

Início: 29-11-2022

Fim: 29-11-2022

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Gil Eanes - Lagos

Formador

Sónia Maria dos Santos Peres Moreira

Maria do Rosário Pinto dos Santos Sousa

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Projeto Coopera Escola+21-23

Razões

A Aprendizagem Cooperativa apresenta-se como um recurso educativo poderoso, um modelo pedagógico onde o ensino e a aprendizagem são atrativos, inclusivos, participativos e motivadores, não só para quem ensina, mas sobretudo para quem aprende. Existe um crescente número de investigações que confirmam a eficácia da Aprendizagem Cooperativa em diferentes categorias: académicas, sociais, psicológicas e de avaliação, em diversos níveis de ensino (Crespo, Lorenzo & Santos Rego, 2014; Johnson, Johnson & Holubec, 1998; Kagan, 1999; Smith, 1996; Moreira 2011). Existem também sucessivas recomendações de organismos internacionais influentes na definição das orientações transnacionais de políticas educativas(como a OCDE, a União Europeia, a UNESCO, entre outros) que apontam as competências de cooperação (de relacionamento interpessoal) como uma das competências básicas que as crianças e jovens devem adquirir como ferramentas indispensáveis para o exercício de uma cidadania plena, ativa e interventiva na sociedade da informação e do conhecimento como a do século XXI. Trata-se, portanto, de uma metodologia ativa com potencial necessário para transformar práticas pedagógicas nas escolas em todos os níveis de ensino, colocando o aluno no centro da ação educativa. Apresentação de um Programa de Intervenção cujo principal objetivo é: Recuperar Incluindo com a Aprendizagem Cooperativa. Consultar roteiro disponível no Plano de Recuperação de Aprendizagens Escola +21-23: Eixo: Ensinar e Aprender: Domínio: Recursos Educativos https://escolamais.dge.mec.pt/sites/default/files/2021-12/1.3.7.-roteiro_recuperar-incluindo-com-a-aprendizagem- cooperativa.pdf

Objetivos

Divulgar a Aprendizagem Cooperativa (AC), enquanto metodologia de aprendizagens ativas promotora das diferentes competências para os alunos do século XXI. Apresentar o Projeto Coopera, como um exemplo de intervenção pedagógica de sucesso, sustentado na Aprendizagem Cooperativa. Identificar diferentes formas de organização pedagógica através do Projeto COOPERA.

Conteúdos

1) Aprendizagem Cooperativa: conceito, fundamentos e métodos. 2) Evidências e benefícios da Aprendizagem Cooperativa. 3) Aprendizagem Cooperativa no Projeto Coopera Escola +21-23. 4) Recuperar incluindo com o Projeto Coopera na Escola +21-23. 5) Funcionamento das Aulas Coopera. Aprendizagem Cooperativa enquanto: 1) modelo de intervenção pedagógica no âmbito da AFC e da Educação Inclusiva; 2) evidência de mudança de paradigma no contexto educativo; 3) movimento transformacional de práticas pedagógicas, avaliativas e organizacionais nas escolas.

Metodologias

Metodologias ativas e participativas em regime presencial.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).

Bibliografia

-


Observações

Formadoras: - Sónia Maria dos Santos Peres Moreira. Pós-graduação / Diploma de Estudos Avançados (DEA) em Educação e Desenvolvimento Humano: Perspetivas Teóricas, Históricas e Sociais. Doutoramento em Educação e Desenvolvimento Humano. Coordenadora do Projeto COOPERA desde outubro de 2016 (PNPSE). Direção Geral de Educação. - Maria do Rosário Pinto dos Santos Sousa

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 29-11-2022 (Terça-feira) 17:30 - 21:30 4:00 Presencial

Ref. 1361 Concluída

Registo de acreditação: ACD9

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 4.0 horas

Início: 28-11-2022

Fim: 28-11-2022

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Júlio Dantas - Lagos

Formador

Sónia Maria dos Santos Peres Moreira

Maria do Rosário Pinto dos Santos Sousa

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Projeto Coopera Escola+21-23

Razões

A Aprendizagem Cooperativa apresenta-se como um recurso educativo poderoso, um modelo pedagógico onde o ensino e a aprendizagem são atrativos, inclusivos, participativos e motivadores, não só para quem ensina, mas sobretudo para quem aprende. Existe um crescente número de investigações que confirmam a eficácia da Aprendizagem Cooperativa em diferentes categorias: académicas, sociais, psicológicas e de avaliação, em diversos níveis de ensino (Crespo, Lorenzo & Santos Rego, 2014; Johnson, Johnson & Holubec, 1998; Kagan, 1999; Smith, 1996; Moreira 2011). Existem também sucessivas recomendações de organismos internacionais influentes na definição das orientações transnacionais de políticas educativas(como a OCDE, a União Europeia, a UNESCO, entre outros) que apontam as competências de cooperação (de relacionamento interpessoal) como uma das competências básicas que as crianças e jovens devem adquirir como ferramentas indispensáveis para o exercício de uma cidadania plena, ativa e interventiva na sociedade da informação e do conhecimento como a do século XXI. Trata-se, portanto, de uma metodologia ativa com potencial necessário para transformar práticas pedagógicas nas escolas em todos os níveis de ensino, colocando o aluno no centro da ação educativa. Apresentação de um Programa de Intervenção cujo principal objetivo é: Recuperar Incluindo com a Aprendizagem Cooperativa. Consultar roteiro disponível no Plano de Recuperação de Aprendizagens Escola +21-23: Eixo: Ensinar e Aprender: Domínio: Recursos Educativos https://escolamais.dge.mec.pt/sites/default/files/2021-12/1.3.7.-roteiro_recuperar-incluindo-com-a-aprendizagem- cooperativa.pdf

Objetivos

Divulgar a Aprendizagem Cooperativa (AC), enquanto metodologia de aprendizagens ativas promotora das diferentes competências para os alunos do século XXI. Apresentar o Projeto Coopera, como um exemplo de intervenção pedagógica de sucesso, sustentado na Aprendizagem Cooperativa. Identificar diferentes formas de organização pedagógica através do Projeto COOPERA.

Conteúdos

1) Aprendizagem Cooperativa: conceito, fundamentos e métodos. 2) Evidências e benefícios da Aprendizagem Cooperativa. 3) Aprendizagem Cooperativa no Projeto Coopera Escola +21-23. 4) Recuperar incluindo com o Projeto Coopera na Escola +21-23. 5) Funcionamento das Aulas Coopera. Aprendizagem Cooperativa enquanto: 1) modelo de intervenção pedagógica no âmbito da AFC e da Educação Inclusiva; 2) evidência de mudança de paradigma no contexto educativo; 3) movimento transformacional de práticas pedagógicas, avaliativas e organizacionais nas escolas.

Metodologias

Metodologias ativas e participativas em regime presencial.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).

Bibliografia

-


Observações

Formadoras: - Sónia Maria dos Santos Peres Moreira. Pós-graduação / Diploma de Estudos Avançados (DEA) em Educação e Desenvolvimento Humano: Perspetivas Teóricas, Históricas e Sociais. Doutoramento em Educação e Desenvolvimento Humano. Coordenadora do Projeto COOPERA desde outubro de 2016 (PNPSE). Direção Geral de Educação. - Maria do Rosário Pinto dos Santos Sousa

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-11-2022 (Segunda-feira) 17:30 - 21:30 4:00 Presencial

Ref. 1341 Concluída

Registo de acreditação: ACD7

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 22-11-2022

Fim: 22-11-2022

Regime: Presencial

Local: Hotel Vila Galé - Lagos

Formador

Rui Carvalho

Destinatários

Elementos da Estrutura do Desporto Escolar – Professores em exercício de funções na Coordenação Nacional, Regional e Local do Desporto Escolar. Grupos de Docência: 110, 260 e 620.

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e Direção Geral de Educação - Desporto Escolar

Razões

Esta ação de formação surge após a necessidade diagnosticada de criar momentos de formação para a Estrutura do Desporto Escolar nos seus diversos patamares de Coordenação, dando cumprimento aos objetivos operacionais e estratégicos elencados no PEDE 21-25. Uniformização de modelos de acompanhamento ao Projeto CFDDE.

Objetivos

- Criar um momento de análise e reflexão sobre o impacto de 10 anos da implantação do Projeto CFDDE; - Transmissão de boas-práticas no âmbito do acompanhamento ao Projeto CFDDE; - Criação de compromissos comuns para a uniformização de procedimentos.

Conteúdos

Enquadramento geral face ao PEDE 21-25: - Os objetivos operacionais e estratégicos definidos no PEDE 21-25; Apresentação e Discussão dos Regulamentos de Funcionamento dos CFDDE: - CFDDE como polo de desenvolvimento desportivo dinamizados nas AE/ENA; - Linhas orientadoras para as parcerias com Autarquias, parceiros locais e Federações; - Atividades dos CFDDE noa âmbito da Articulação Curricular, Ambiente, Sustentabilidade, Saúde e Bem-estar. Análise SWOT em cada AE/ENA, partilha de conclusões e compromissos com os Regulamentos de Funcionamento do Projeto CFDDE.

Metodologias

Componente teórica com base na seguinte estratégia: Método expositivo e método demonstrativo, bem como espaço para discussão orientada entre formador e formandos encorajando uma aprendizagem ativa e participada permitindo uma partilha de experiências numa perspetiva local, regional e nacional. Componente prática com base na seguinte metodologia: Aprendizagem colaborativa através da análise SWOT em cada patamar da Estrutura, partilha de conclusões e compromissos com os Regulamentos de Funcionamento do Projeto CFDDE.

Avaliação

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório). Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

questionário online a preencher pelos formandos.

Bibliografia

-


Observações

Formador: Rui Miguel da Conceição Carvalho LICENCIATURA EM: Educação Física e Desporto MESTRADO EM: Gestão da Formação Desportiva

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 22-11-2022 (Terça-feira) 11:30 - 13:00 1:30 Presencial
2 22-11-2022 (Terça-feira) 14:30 - 19:00 4:30 Presencial

Ref. 1251 Concluída

Registo de acreditação: ACD4

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 23-10-2022

Fim: 23-10-2022

Regime: Presencial

Local: Biblioteca Municipal de Lagos - Júlio Dantas

Formador

António Adérito Borges Lopes

Rúben Nataniel Candeias dos Santos

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Biblioteca Municipal de Lagos – Júlio Dantas / CML em parceria com o Centro de Formação Dr. Rui Grácio.

Razões

Esta iniciativa da Biblioteca Municipal de Lagos / Câmara Municipal de Lagos, em parceria com o Centro de Formação Dr. Rui Grácio, visa dinamizar um conjunto de estratégias para a promoção da interpretação (teatro) e da leitura expressiva. Os professores sentem necessidade de formação na área da expressão dramática, em especial na expressão corporal, voz, encenação e interpretação. Assim, esta ação de formação contribui para um upgrade da prática pedagógica dos professores que procuram novas ferramentas de expressão e comunicação, para complementarem o seu exercício profissional.

Objetivos

Esta oficina tem um propósito de Arte pela Educação, uma pedagogia que funciona, antes de mais, como uma ponte entre a arte e o ensino. A experiência de parceria entre docentes e profissionais do espetáculo procura como objetivo maior uma interligação entre o Teatro e a Educação, uma aproximação dos docentes a um ágil conhecimento das práticas teatrais. Honra-se que o objetivo maior da Escola é o desenvolvimento pessoal e, neste sentido, a Oficina de Interpretação funciona como uma sensibilização às práticas artísticas, em particular ao Teatro, numa linha de progressão que privilegia junto dos formandos - e depois junto dos seus alunos - a expressão, a comunicação, a sensibilidade, a experimentação e a aprendizagem mais profunda do mundo e das relações humanas, onde a Arte é o meio privilegiado para um ideal pedagógico e humano.

Conteúdos

Os conteúdos selecionados para esta ação de formação são excertos das obras de Gil Vicente, tais como Auto da Barca do Inferno (1516), Auto da Índia (1509), Farsa de Inês Pereira (1523) e Velho da Horta (1512).

Metodologias

A ação de formação constrói-se através de uma metodologia pedagógica e artística onde os elementos-base de trabalho serão a dinamização da leitura. A formação será primordialmente focada na construção da personagem, com exercícios e uma análise dramatúrgica, cujo resultado se apresenta num exercício de interpretação dos formandos de vários textos selecionados da obra de Gil Vicente.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante um questionário online, obrigatório, a preencher pelos formandos.

Bibliografia

Gil Vicente. Auto da Barca do Inferno (1516), Auto da Índia (1509), Farsa de Inês Pereira (1523) e Velho da Horta (1512).


Observações

Síntese do CV dos Formadores: Adérito Lopes Mestre em Teatro / Artes Performativas, com especialização em Interpretação – Escola Superior de Teatro e Cinema – IPL – Instituto Politécnico de Lisboa. Doutor em Comunicação, Cultura e Artes, com especialização em Teatro. Iniciou o seu percurso como ator no Grupo de Teatro Independente O Palmo e Meio, em Campolide (Lisboa), ao mesmo tempo que frequentava a Oficina/Atelier: Espaços e Expressões na Comuna – Teatro de Pesquisa. Realizou formações, entre outros, com Águeda Sena, Alfredo Brissos, Filipe Crawford, Guillermo Heras, João Mota, Natália Luíza e Vladislav Pazi. Estreia-se como profissional, em 2001, no TEC – Teatro Experimental de Cascais, numa coprodução com o Teatro da Garagem, em Tríptico TEC de Carlos J. Pessoa. Trabalhou no teatro sob a direção de nomes, como: Águeda Sena; Carlos Avilez; Carlos J. Pessoa; Castro Guedes; Fernando Jorge Lopes; Filipe La Féria; Guillermo Heras; Hélder Mateus da Costa; João Lourenço; Joaquim Benite; José Martins; Maria do Céu Guerra; Paula Sousa, Rita Lello e Rui Luís Brás. Finalista da 1.ª edição do Projeto Novos Atores, no âmbito do Ciclo Novos x9, em 2006, promovido pela EGEAC, E.E.M./São Luiz Teatro Municipal, Jorge Salavisa. Prémio Especial do Júri FITA 2014 – Maria do Céu Guerra, Adérito Lopes e o grupo A Barraca, pela montagem de Menino de sua Avó. FITA- Festa Internacional de Teatro de Angra dos Reis. Rio de Janeiro, Brasil. Professor Coordenador do curso de Interpretação - Ator/Atriz do IDS - Escola Profissional, em Lisboa, e ator residente no grupo A Barraca,desde 2008. Ruben Garcia Possui o Curso de Formação de Atores – ACT - Escola de Atores Integrou como ator e encenador o T.E.L./Teatro Experimental de Lagos. Tem uma presença assídua como ator no teatro e no cinema nacional e internacional. Em 2021 foi distinguido com voto de congratulação e louvor pelo Município de Lagos, pela sua atividade como ator. Trabalhou no teatro sob a direção de nomes, como Bruno Cochat; Filipe La Féria; Hélder Mateus da Costa; Joana Furtado Alma; Juvenal Garcês; Maria do Céu Guerra; Norberto Barroca; Paulus Manker (Los Angeles); Rita Lello; entre outros. Ator residente no grupo A Barraca desde 2007. Em cinema foi dirigido, entre outros, por Ana Rocha de Sousa; Aurélio Vasquez; Carlos Ruiz Carmona; Dominik Lukas; Harald Sicheritz; Jeanne Waltz; João Teixeira; NJ Silva; Nuno Dias; Paulus Manquer; Rui Filipe Torres; Rita Nunes; Thom Eberhardt; Tiago Pimentel. Pela sua interpretação no filme Listen (2020), de Ana Rocha de Sousa, foi nomeado para o Prémio Orizzonti para Melhor Ator no Festival de Cinema de Veneza 2020, e para os Prémios Quinto Canal, Portugal, para Melhor Actor de Cinema 2020. Nomeado ainda para os prémios Sophia 2021 da Academia Nacional de Cinema e para os Globos de Ouro da SIC.

Financiado pela Câmara Municipal de Lagos / Biblioteca Municipal

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 23-10-2022 (Domingo) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
2 23-10-2022 (Domingo) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial

Ref. 1221 Concluída

Registo de acreditação: ACD3

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 18-10-2022

Fim: 18-10-2022

Regime: Presencial

Local: Centro Cultural de Lagos

Formador

Carlos Alberto Ferreira Neto

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CPCJ Lagos, em parceria com a Câmara Municipal de Lagos e com o Centro de Formação Dr. Rui Grácio.

Razões

É necessário refletir sobre o modelo educativo e sobre os hábitos e padrões de comportamento das crianças e jovens, nomeadamente os períodos de tempo e espaços de jogo e recreio.

Objetivos

Sensibilizar os intervenientes para a necessidade de alterar hábitos e comportamentos das famílias e escolas no sentido de fomentar hábitos de vida mais ativos das crianças e jovens.

Conteúdos

A qualidade de vida das crianças e jovens; correlação entre brincar e aprender; correlação entre sedentarismo e doenças respiratórias, cardiovasculares e diabetes; novas políticas públicas para a comunidade escolas e famílias.

Metodologias

Componente teórica com base na seguinte estratégia: formação em formato de palestra moderada por especialista da área de conhecimento em questão Componente prática com base na seguinte metodologia: Momento dedicado a discussão e perguntas e respostas

Avaliação

Não se aplica a Comissários das CPCJ’s, professores, educadores, técnicos de intervenção psicossocial e técnicos superiores das autarquias locais e membros dos órgãos executivos e deliberativos.

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório). Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).


Observações

O seminário é aberto a todo o Pessoal não Docente, Pessoal Técnico, Educativo e Especializado envolvido na Educação de crianças e jovens; As famílias e cidadãos em geral também serão convidadas a participar neste seminário. Para Professores: Certificação de 3 horas na Dimensão Científica e Pedagógica de todos os grupos de docência, de todos os ciclos de ensino.

Formador: Prof. Doutor Carlos Neto, Prof. Catedrático da Universidade de Lisboa. Palestra reconhecida pelo Centro de Formação Dr. Rui Grácio como ação de formação de curta duração (Despacho Nº 5741/2015, de 29 de Maio), com 3 horas na Dimensão Científica e Pedagógica de todos os grupos de docência.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-10-2022 (Terça-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial

Ref. 12414.1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117176/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 14-10-2022

Fim: 22-10-2022

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Júlio Dantas -Lagos- e Marina de Portimão.

Formador

Cândida Rocha Pereira

Luís Brito

Destinatários

Professores de Educação Física (grupos 260, 620) e de Educação Especial (910, 920, 930)

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores de Educação Física (grupos 260, 620) e de Educação Especial (910, 920, 930). Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores de Educação Física (grupos 260, 620) e de Educação Especial (910, 920, 930).

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e Associação Teia D'Impulsos

Razões

Atualmente, nas escolas, estão inseridas muitas crianças e jovens com necessidades educativas específicas. Estas crianças e jovens aprendem com maior facilidade quando são desenvolvidas atividades em contextos práticos. Aliar o desporto à aprendizagem é um benefício significativo para estes alunos. Vários autores, entre os quais MONTEIRO, J. R. (2012), em "O contributo do Desporto Adaptado para a Integração Social" e Saraiva, J. P. (2013), em "Desporto Adaptado em Portugal: do conceito à prática.", evidenciam diversas vantagens obtidas a partir da prática desportiva por parte de alunos com necessidades educativas específicas, independentemente de qualquer nível de prática desportiva, seja por lazer ou competição. Para além disso, após um período de confinamento, com impacto significativamente negativo no desenvolvimento destas crianças, é importante devolver-lhe a normalidade, proporcionar-lhes experiências e interação em diferentes contextos, podendo o desporto adaptado ser um veículo para desenvolver diversas competências pessoais e sociais. Neste contexto, a formação dos professores e outros profissionais que interagem com estas crianças é crucial, numa perspetiva de educação inclusiva para o desenvolvimento educativo.

Objetivos

A formação tem como objetivos principais adquirir conhecimentos para uma abordagem mais adequada junto da população com necessidades educativas específicas. Assim pretendemos: - Capacitar professores, auxiliares e técnicos que intervêm com crianças e jovens com necessidades educativas específicas; - Dotar os intervenientes de conhecimentos e técnicas que elevam e diminuem os riscos para as pessoas com deficiência, durante a atividades desportiva com enfoque na Vela Adaptada; - Estimular aos desenvolvimentos de parcerias com entidades públicas e privadas da região do Algarve, potenciando o desenvolvimento de desporto adaptado; - Reconhecer a importância de realização de atividades fora do contexto de sala de aula para crianças com necessidades educativas específicas.

Conteúdos

Abordagem Clinica e Funcionalidade na atividade desportiva adaptada. Conteúdos: - Condições mais frequentes de causa de grande incapacidade permanente em crianças e jovens e possíveis quadros funcionais; - Cuidados específicos para cada diagnóstico clínico; - Estratégias especificas para cada diagnóstico clínico; - Importância do desporto como ferramenta terapêutica; - Transferências - postura, segurança e conforto; - Autonomia e participação ativa nas atividades desportivas; - Abordagem do Psicólogo na Atividade Física Conteúdos: - O papel das emoções e comportamentos nos participantes e outros agentes envolvidos na prática desportiva, exercício e atividade física adaptada, como estratégia de promoção da saúde, bem-estar e qualidade de vida; - O controlo emocional, autodomínio, o conhecimento de si, como fatores significativos para o desempenho; - Motivação; - Dinâmicas de grupo; atenção / concentração; formulação de objetivos; assertividade; espírito de equipa; - Competências emocionais e otimização de Competências (pessoais e sociais); - Abordagem do Técnico de Desporto na Atividade Física Adaptada Conteúdos: - Especificidades das modalidades; - Exemplos de boas-praticas no desporto adaptado; - Barreiras arquitetónicas e a sua influência na prática desportiva adaptada; - O desporto na qualidade de vida das pessoas com deficiência.

Metodologias

O curso terá a duração de 15 horas presenciais e três etapas fundamentais: 1. Uma componente teórico-prática, onde serão explorados os conteúdos e a orientação para elaboração de um projeto / implementação de metodologias e/ou materiais pedagógicos. (9 horas presenciais). Metodologia: exposição; demonstração; discussão orientada; aprendizagem colaborativa; prática supervisionada; reflexão. Recursos didáticos: Videoprojector, computador . 2. Uma componente prática de vela adaptada, na qual serão explorados em contexto prático os conteúdos abordados. (4 horas presenciais). Recursos didáticos: este módulo será prático, utilizando materiais disponíveis da Associação de Vela, como barcos, velas, cabos. 3. Sessão final: apresentação dos relatórios pelos formandos e avaliação final do curso. (2 horas presenciais).

Avaliação

Os participantes procedem à apresentação de um relatório crítico sobre o trabalho desenvolvido e sua importância na motivação, na melhoria das aprendizagens e no desenvolvimento global dos alunos e aborda, especificamente, a importância de aliar as aprendizagens através do desporto, em contexto prático, à melhoria das aprendizagens dos alunos. Avaliação final do formando - Ponderações: 50% participação nas sessões e 50% para os trabalhos desenvolvidos e relatório final do formando. Para a avaliação final individual de cada formando será usada uma escala quantitativa de 1 a 10 valores: Excelente - de 9 a 10 valores; Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; Bom - de 6,5 a 7,9 valores; Regular - de 5 a 6,4 valores; Insuficiente - de 1 a 4,9 valores. A classificação final e as horas de formação para a progressão na carreira docente constarão no certificado final a emitir pelo Centro de Formação.']

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

MONTEIRO, J. R. (2012). O contributo do Desporto Adaptado para a Integração Social. ISMT.Dissertações de Mestrado em Serviço Social . http://repositorio.ismt.pt/jspui/handle/123456789/169Santos JP, Almeida M, Oliveira C, Fernandes R, Cruz-Santos A. (2013). Desporto Adaptado em Portugal: do conceito à prática. Revista Brasileira Atividade Física e Saúde. Disponível em: https://rbafs.emnuvens.com.br/RBAFS/article/view/2586


Observações

Inês Reis colaborará com a equipa de formadores, na qualidade de Terapeuta Ocupacional.

Colaboração na formação / equipa de formadores: Inês Reis, Terapeuta Ocupacional, Técnica especializada de apoio à formação. Cartaz: Design de Violante Romão.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 14-10-2022 (Sexta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 15-10-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
3 22-10-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
4 22-10-2022 (Sábado) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial

Ref. 1154.1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117496/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 13-10-2022

Fim: 14-12-2022

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Olavo Daniel Cristina Rodrigues

Vítor Manuel Noruegas Dias da Rocha

Destinatários

Educadores de Infância

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

Considera-se fundamental no PTD a integração e capacitação digital dos educadores de infância nas suas práticas pedagógicas. Esta capacitação representa uma forte aposta no processo de valorização e no desenvolvimento profissional dos docentes no domínio da literacia digital e das competências digitais, no sentido de os dotar das competências necessárias à integração transversal, de modo a que estas se afirmem como facilitadoras das práticas profissionais e pedagógicas e, simultaneamente, promotoras de inovação no processo de ensino e de aprendizagem. O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores é o referencial que dá suporte a este plano, contribuindo para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional.

Objetivos

Pretende-se apoiar os educadores na promoção de estratégias e de ações integradoras do digital que permitam melhorar a qualidade do trabalho realizado. São objetivos específicos da oficina: - Conceber, selecionar e partilhar recursos digitais no âmbito da educação de infância; - Integrar o digital nas propostas educativas, numa perspetiva da articulação plena das aprendizagens - Planificar, avaliar e comunicar com recurso ao digital. - Capacitar os docentes da EPE para a promoção da utilização crítica e responsável de diferentes suportes digitais nas atividades do quotidiano das crianças.

Conteúdos

1. Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 2. Exploração de estratégias de promoção do uso pedagógico de tecnologias digitais. 3. Exploração, seleção e adequação de Recursos Educativos Digitais (RED) ao contexto de aprendizagem. 4. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Exploração de recursos digitais de apoio ao planeamento e à avaliação das aprendizagens. 6. Planificação de atividades, projetos e outras metodologias com recurso às tecnologias digitais. 7. Utilização de estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da cidadania digital das crianças. 8. Apresentação e partilha das atividades desenvolvidas pelos formandos na oficina. 9. Reflexão e debate sobre as atividades apresentadas e análise dos resultados obtidos pela sua implementação. 10.Avaliação e conclusões.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas: à exploração, reflexão e articulação das OCEPE com a integração dos ambientes digitais nas aprendizagens das crianças; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na educação pré-escolar, que promovam o desenvolvimento das CD dos docentes; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados das atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o \x93Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://ec.europa.eu/education/sites/education/files/document-library-docs/deap-swd-sept2020_en.pdfLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdfKampylis, P., Punie, Y. & Devine, J. (2015); Promoting Effective Digital-Age Learning - A European Framework for Digitally-Competent Educational Organisations. Disponível: http://publications.jrc.ec.europa.eu/repository/bitstream/JRC98209/jrc98209_r_digcomporg_final.pdfLopes da Silva, I., Marques, L., Mata, L. e Rosa, M. (2016). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa: ME/DGE. Disponível em: http://www.dge.mec.pt/ocepe/sites/default/files/Orientacoes_Curriculares.pdf


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Poster: Design Violante Romão

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 20-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 27-10-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 03-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 10-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 17-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
7 24-11-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
8 15-12-2022 (Quinta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 1011.4 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117345/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 11-10-2022

Fim: 06-12-2022

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Olavo Daniel Cristina Rodrigues

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente..

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas e três etapas fundamentais: 1. Sessão presencial conjunta, com explicação do enquadramento da ação no contexto educacional atual, o envolvimento profissional e experiência na utilização de plataformas de trabalho colaborativo. Serão abordados os documentos norteadores do PTD e explorados os conteúdos teórico-práticos e a orientação para elaboração dum projeto, implementação de metodologias e materiais pedagógicos. (3 horas) 2. Sessões de trabalho, em pequeno e grande grupo, através duma plataformas de videoconferência, destinadas à reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; realização de atividades práticas de partilha suportadas por um ambiente colaborativo; exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento da CD docente e dos alunos; reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Todas as atividades serão partilhadas com todos. (18 horas) 3. Apresentação e discussão, na última sessão presencial conjunta, do projeto, metodologias e materiais implementados na prática pedagógica. (4 horas) A componente de trabalho autónomo terá a duração de 25 horas: • Implementação de projetos, metodologias na sala de aula, construção de materiais pedagógicos e preparação do projeto a apresentar na última sessão; • Elaboração do relatório crítico: autoavaliação do trabalho realizado e sua importância no desenvolvimento dos alunos e na melhoria das aprendizagens.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education - guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdfMinistério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 11-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 18-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 02-11-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
4 08-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
5 15-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 22-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 28-11-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 06-12-2022 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 1281 Concluída

Registo de acreditação: ACD5

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 10-10-2022

Fim: 25-10-2022

Regime: e-learning

Local: Plataforma Moodle do CFAE Dr. Rui Grácio.

Formador

Teresa Paula da Silva Fernandes

Destinatários

Professores dos grupos 110, 230 e 500

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e Equipa Khan Academy, Fundação Altice.

Razões

A atualização das práticas pedagógicas em ambiente de sala de aula (contexto presencial e/ou a distância) e no trabalho a desenvolver com e pelos alunos pressupõe um conhecimento aprofundado, pelos professores, das características das ferramentas disponíveis para o ensino e aprendizagem. A plataforma Khan Academy (KA) disponibiliza recursos digitais online para a aprendizagem da Matemática, direcionados aos ensinos básico e secundário, que se enquadram nos documentos curriculares em vigor e têm vindo a ser progressivamente enriquecidos e atualizados. Importa não só conhecer esses recursos mas também analisar as possibilidades proporcionadas através da sua utilização e promover estratégias e metodologias adequadas aos alunos e às possibilidades de trabalho autónomo e em grupo que a KA permite. As funcionalidades da plataforma permitem um acompanhamento presencial e a distância do trabalho desenvolvido pelos alunos, o que proporciona aos professores novas ferramentas de planeamento, monitorização e avaliação das atividades. Além de ser uma plataforma com características de jogo, a sua utilização regular e sistemática poderá contribuir para a melhoria da motivação e empenhamento dos alunos na aprendizagem da Matemática, assim como para a melhoria dos seus resultados escolares. Esta ACD pretende apresentar aos docentes as características dos recursos digitais KA, as possibilidades de utilização dos mesmos e criar as condições para que possam experimentar a plataforma e preparar a sua utilização em contexto de sala de aula.

Objetivos

• Apresentar e explorar os recursos digitais da plataforma Khan Academy disponíveis para a disciplina de Matemática; • Introduzir diferentes formas de utilização dos recursos educativos da Khan Academy; • Refletir sobre as práticas e metodologias de utilização dos recursos Khan Academy na aprendizagem da Matemática em contexto de sala de aula.

Conteúdos

Sessão 1: • Introdução: O que é a Khan Academy; Khan Academy em Portugal; Plataforma Khan Academy; • Perfil de Aluno: Registar-se como aluno; Ferramentas da plataforma. • Perfil de Professor: Registar-se como Professor; Ferramentas da plataforma; Sessão 2: • Como utilizar os recursos da Khan Academy: sugestões de Metodologias de utilização; • Reflexão sobre estratégias e metodologias de utilização dos recursos digitais Khan Academy; • Esclarecimento de dúvidas.

Metodologias

A ação assumirá essencialmente um formato teórico-prático. Na sessão 1, à medida que é apresentada a plataforma, os formandos vão explorar as diversas ferramentas, sendo que primeiramente os formandos assumirão o papel de alunos, de forma a conhecer a plataforma do ponto de vista do aluno (perfil de aluno KA) e na segunda parte da sessão exploram as ferramentas do perfil de professor. Na sessão 2, pretende-se fomentar a discussão sobre as práticas e metodologias de utilização dos recursos Khan Academy na aprendizagem da Matemática em contexto de sala de aula.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).


Observações

Certificação de 3 horas na Dimensão Científica e Pedagógica de todos os grupos de docência, de todos os ciclos de ensino. Formadora: Teresa Fernandes , Mestre em Pedagogia do e-Learning; Conselheira científica e pedagógica do projeto Khan Academy em Portugal, na Fundação Altice.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 10-10-2022 (Segunda-feira) 17:30 - 19:30 2:00 Online síncrona
2 25-10-2022 (Terça-feira) 17:30 - 18:30 1:00 Online síncrona

Ref. 1261 Concluída

Registo de acreditação: ACD2

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 08-10-2022

Fim: 08-10-2022

Regime: Presencial

Local: Centro Cultural de Lagos

Formador

Cristina Maria Teodoro Belém

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação de formação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014. 

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Ser - Cooperativa de Solidariedade Social, Câmara Municipal de Lagos e Centro de Formação Dr. Rui Grácio

Razões

Este seminário é uma iniciativa da SER - Cooperativa de Solidariedade Social, em parceria com a Câmara Municipal de Lagos e o Centro de Formação Dr. Rui Grácio. Visa promover a articulação entre Escola e Família e contribuir para a reflexão sobre o desenvolvimento socioemocional das crianças e jovens. As inscrições de pessoal não docente e de todos os outros interessados, em geral, mas incluindo também os docentes, devem ser feitas no site da SER - Cooperativa de Solidariedade Social, no seguinte link: https://www.eventbrite.com/e/bilhetes-seminario-familia-lugar-de-afetos-412721239337

Objetivos

- Promover a reflexão em torno do conceito da Família como espaço de afetos para o desenvolvimento socioemocional da criança; - Construir pontes entre a Escola e a Família, permitindo vínculos para o desenvolvimento pessoal e social dos alunos.

Conteúdos

08h30 | Receção aos convidados 09h00 > 09h30 SESSÃO DE ABERTURA Hugo Pereira – Presidente da Câmara Municipal de Lagos Sílvia Oliveira – Administradora da SER e Presidente Associação de Reiki Crianças e Jovens João Magalhães – Gestor da SER e Presidente da Associação Portuguesa de Reiki 09h30 > 10h30 | I PAINEL: FAMÍLIA E ESCOLA – CONSTRUÇÃO DE VÍNCULOS Moderadora: Ana Fazenda “Como os Estilos Educativos Influenciam o Desenvolvimento da Criança” Sara Coelho – Psicóloga e Vereadora da Câmara Municipal de Lagos “APRENDER A SER - A importância de ensinar a Gerir as Emoções” Sílvia Oliveira – Administradora da SER Cooperativa de Solidariedade Social; Presidente ARCJ “EU no coração do outro “ Emília Santos -Educadora de Infância Agrupamento Júlio Dantas 10h30 > 11h00 | Coffee Break 11h00 > 12h30 | II PAINEL: FAMÍLIA – ÁRVORE DOS AFETOS Moderadora: Marta Silva “Família: um caminho desassossegado” Vera Silva – Pediatra no Espaço Médico Pediátrico do Barreiro “Sinto o que conto. Contos que sinto” Maria Vilela George – Psicóloga; Autora do livro “O Laço que Virou Abraço”; Idealizadora do Método de Lumen Educacional; EUA “Primeiros Anos A Nossa Prioridade” Maria João Freitas – Assistente Social CHUA - Portimão 12h30 > 14h30 | ALMOÇO LIVRE 14h30 > 17h00 | III PAINEL: EmocionalMente Moderadora: Maria João Freitas “As experiências adversas na Infância e o impacto na Saúde Física, Mental e Emocional do Adulto” Telma Abrahão – Biomédica; Especialista em Neurociências Comportamental Infantil; Criadora da Educação Neuroconsciente; Autora do livro “Pais que Evoluem”; Fundadora da Positive Parenting Education; EUA “Mãe, estou aqui. – Um caso de Polidipsia” Cristina Marçal Delgado – Pediatra de Neurodesenvolvimento CHUA Portimão; Oficina dos Mimos – Albufeira “Reiki e o impacte na Saúde Mental do Adulto” João Magalhães – Gestor da SER Cooperativa de Solidariedade Social; Presidente da APR Momento lúdico 17h15 | SESSÃO DE ENCERRAMENTO

Metodologias

Exposição de conteúdos com recurso às TIC, ao diálogo e ao debate.

Avaliação

Os participantes procedem a uma breve reflexão escrita online sobre a formação desenvolvida e a sua importância no seu desenvolvimento pessoal e profissional (obrigatória).

Modelo

A ação será avaliada mediante questionário online a preencher pelos formandos (obrigatório).


Observações

O seminário é aberto a todo o Pessoal não Docente, Pessoal Técnico, Educativo e Especializado envolvido na Educação de crianças e jovens; As famílias e cidadãos em geral também serão convidadas a participar neste seminário. Para os professores: Certificação de 6 horas na Dimensão Científica e Pedagógica de todos os grupos de docência, de todos os ciclos de ensino.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 08-10-2022 (Sábado) 09:00 - 12:00 3:00 Presencial
2 08-10-2022 (Sábado) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 1033.1 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117344/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 04-10-2022

Fim: 14-12-2022

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Mário Miguel Pereira Guedes

Vítor Manuel Noruegas Dias da Rocha

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente..

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

Sessões presenciais / online síncronas: As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o \x93Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education - guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENEU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-toolLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31.07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 12-10-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 19-10-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 02-11-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
5 09-11-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
6 16-11-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 23-11-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 14-12-2022 (Quarta-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Presencial

Ref. 1022.10 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117442/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 03-10-2022

Fim: 12-12-2022

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Vítor Manuel Noruegas Dias da Rocha

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. -Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digita - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas presenciais / online síncronas e 25 horas de trabalho autónomo. As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdfMinistério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 03-10-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 10-10-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 17-10-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 24-10-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
5 31-10-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 14-11-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
7 28-11-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 12-12-2022 (Segunda-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 1022.11 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117442/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas

Início: 27-09-2022

Fim: 06-12-2022

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Pedro Miguel da Silva Rocha

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1. -Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digita - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas presenciais / online síncronas e 25 horas de trabalho autónomo. As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdfMinistério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31/07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 27-09-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 11-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 18-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 25-10-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 08-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
6 15-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 22-11-2022 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
8 06-12-2022 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

Ref. 1131 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-114512/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 19-04-2022

Fim: 23-11-2022

Regime: e-learning

Local: Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

António Vidal Santos

Destinatários

Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio

Razões

No âmbito do Plano de Transição Digital, e tendo em conta que o desenvolvimento da competência digital das organizações educativas constitui uma dimensão fundamental na qualidade do trabalho de ensino e aprendizagem realizado nas escolas, cada Escola foi convidada a elaborar o seu PADDE (Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital), que está agora em vias de concretização. No caminho para a plena execução do PADDE, importa criar na Escola uma estrutura de acompanhamento, monitorização e avaliação que aprecie com regularidade a conformidade deste Plano com os objetivos traçados, eventuais desvios face ao planeado, os resultados alcançados e os impactos no contexto escolar, produzindo informação pertinente de apoio às decisões da equipa de gestão, bem como de comunicação a todas as partes envolvidas. Esta monitorização e avaliação, emergindo do próprio PADDE, ganhará em qualidade e rigor se for sustentada num processo formativo que faculte aos docentes dela encarregados a oportunidade de realizarem uma reflexão inicial consistente sobre monitorização e avaliação de projetos; de trabalharem sobre as linhas orientadoras previstas nos PADDE, definindo planos de monitorização contextualizados e adaptados à realidade de cada unidade orgânica; de concretizarem percursos de monitorização e avaliação devidamente acompanhados, sólidos e partilhados. Com esta formação, cremos que será possível potenciar a atuação de todos os docentes encarregados da monitorização e avaliação do PADDE.

Objetivos

Com esta formação, pretende-se apoiar as Escolas na implementação dos seus PADDE, através da promoção de estratégias de acompanhamento, monitorização e avaliação da sua plena concretização. São objetivos específicos deste Curso: - refletir sobre processos de acompanhamento, monitorização e avaliação de projetos, percebendo a importância da sua implementação, os princípios fundamentais e os conceitos que lhes subjazem; - compreender a especificidade de um Plano como o PADDE, bem como aspetos pertinentes a acompanhar e monitorizar na sua implementação, por forma a maximizar o seu efeito no desenvolvimento digital da Escola; - refletir periodicamente, em contexto de formação, sobre o processo de monitorização e avaliação de cada PADDE, numa lógica de apoio sustentado, partilha de práticas, confirmação ou redefinição de estratégias e metodologias; - definir formas de apresentação da informação produzida adequadas aos destinatários e às finalidades, de maneira a potenciar a sua utilidade.

Conteúdos

- Breve enquadramento legal, conceptual e metodológico - o PTD e o PADDE (1 hora); - Importância do acompanhamento, monitorização e avaliação de projetos em geral e do PADDE em particular; princípios básicos subjacentes a um processo de monitorização e avaliação (1 hora); - Conceitos-chave na monitorização e avaliação de projetos e estabelecimento de um vocabulário comum; distinção entre monitorização e avaliação (1 hora); - Conjugação entre objetivos e métodos de avaliação/monitorização (1 hora); - Reflexão sobre a especificidade de um Plano como o PADDE, bem como aspetos pertinentes a acompanhar e monitorizar na sua implementação: cronograma de concretização / tarefas / recursos /custos / estratégias de comunicação / envolvimento das partes / riscos (2 horas); -Análise reflexiva das metodologias de implementação, monitorização e avaliação previstas no PADDE de cada uma das Escolas/Agrupamentos (2 horas); - Definição do plano de monitorização a desenvolver em concreto, a partir das linhas orientadoras registadas nos PADDE: estratégias / intervenientes / informação a recolher / formas de recolha, organização, tratamento e apresentação de dados (4 horas); - Identificação/ definição de indicadores: de processo / de resultado / de impacto (4 horas); - Apoio/ acompanhamento da implementação do processo de monitorização e avaliação do PADDE, em cada uma das Escolas/Agrupamentos: reflexão sobre o processo; partilha de práticas; confirmação ou redefinição de estratégias (se necessário) (5 horas); - Possíveis forma/s de apresentação da informação produzida em resultado do processo de monitorização: relatório / portefólio / outra(s); considerações acerca da utilidade das informações, sua adequação aos destinatários e finalidades e princípios éticos a respeitar (2 horas; - Apreciação crítica sobre possíveis contributos do processo de monitorização para a própria concretização do PADDE (1 hora); - Avaliação do trabalho realizado e de toda a dinâmica da formação (1 hora).

Metodologias

As sessões assumirão um cariz essencialmente teórico-prático, privilegiando-se os métodos: expositivo, demonstrativo, interrogativo e ativo. Haverá lugar à exposição de conteúdos, à reflexão, ao debate e à partilha entre os participantes, à análise e discussão de situações concretas, à consolidação de procedimentos e à preparação da intervenção a concretizar em cada Escola, em sede de acompanhamento, monitorização e avaliação do respetivo PADDE.

Avaliação

- Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. - A avaliação dos formandos será contínua e participada por todos os intervenientes e assentará na participação nas dinâmicas das sessões presenciais, bem como na elaboração de um trabalho individual/documento final de reflexão crítica individual sobre a experiência pessoal derivada da participação na Ação e implicações na prática letiva, de acordo com os critérios previamente estabelecidos ao nível do Centro de Formação, com a legislação em vigor e com as orientações do Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua; - A avaliação dos formandos é quantitativa e expressa numa escala de 1 a 10, com a correspondente menção qualitativa, conforme referencial constante da legislação em vigor e que a seguir se explicita: Excelente, de 9 a 10 valores; Muito Bom, de 8 a 8,9 valores; Bom, de 6,5 a 7,9 valores; Regular, de 5 a 6,4 valores; Insuficiente, de 1 a 4,9 valores.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Asian Forest Cooperation Organization (2020) Guidelines for Project Monitoring and Evaluation. Disponível em: http://afocosec.org/wp-content/uploads/2021/01/G-2-20R-Project-M_E-GuidelinesEffective-on-20201127.pdfGuia Pembok – Sexta Edição (2017). Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos. Project Management Institute, Inc.Gabinete de Avaliação e Auditoria - Camões, Instituto da Cooperação e da Língua - Ministério dos Negócios Estrangeiros (2014). Guia de Avaliação. Disponível em: https://www.instituto-camoes.pt/images/transparencia/Guia_Avalia%C3%A7%C3%A3o.pdfA step by step guide to Monitoring and Evaluation (2014). Project Monitoring and Evaluation for Sustainable Communities’. Higher Education Innovation Fund - University of Oxford. Disponível em: https://transitionnetwork.org/wp-content/uploads/2016/09/Monitoring-and-evaluation-guide.pdfCANDIDO, Roberto et al. (2012). Gerenciamento de projetos. Curitiba: Aymará Educação. Disponível em: https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2061/1/gerenciamentoprojetos.pdf


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31.07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-04-2022 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
2 19-04-2022 (Terça-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
3 04-05-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
4 04-05-2022 (Quarta-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
5 18-05-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
6 18-05-2022 (Quarta-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
7 01-06-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
8 01-06-2022 (Quarta-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
9 15-06-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
10 15-06-2022 (Quarta-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
11 21-09-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
12 21-09-2022 (Quarta-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
13 02-11-2022 (Quarta-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
14 02-11-2022 (Quarta-feira) 20:30 - 21:30 1:00 Online assíncrona
15 23-11-2022 (Quarta-feira) 16:00 - 20:00 4:00 Presencial